A morte do 'Leão de Panjshir' às mãos da Al-Qaeda

Ahmad Shah Massoud era o mais célebre comandante afegão. Meses antes do 11 de setembro avisara para a iminência de um grande ataque terrorista no Ocidente.

Há mais de duas décadas que combatia de armas na mão, primeiro contra os soviéticos, depois na violenta guerra civil que se seguiu à retirada das tropas de Moscovo em fevereiro de 1989. Tinha completado 48 anos uma semana antes quando, a 9 de setembro de 2001, foi vítima de um atentado suicida organizado pela Al-Qaeda. Desaparecia assim Ahmad Shah Massoud, um dos principais chefes militares e políticos do Afeganistão e um feroz adversário do regime talibã, no poder em Cabul desde 1996.

Meses antes, em abril, Massoud estivera em França e na Bélgica. Num discurso no Parlamento Europeu, advertira para a iminência de um importante ataque terrorista no Ocidente.

O atentado foi reivindicado pela Al-Qaeda, cujo líder, Osama bin Laden foi sempre adversário de Massoud quando esteve no Afeganistão no período do combate aos soviéticas. Os autores foram dois tunisinos que se fizeram passar por jornalistas marroquinos baseados em Bruxelas. Estes deslocaram-se ao nordeste do Afeganistão, onde Massoud se encontrava, solicitando entrevistas a este e outros dirigentes da resistência anti-talibã. O que sucedeu com todos, à exceção de Massoud. Só a 8 de setembro quando os dois tunisinos ameaçaram partir se não se concretizasse a entrevista até dia 10, é que Massoud acedeu. Os explosivos, dissimulados numa máquina fotográfica e num cinto de baterias de câmaras de filmar, foram acionados no início da entrevista. Massoud viria a morrer por causa dos ferimentos. No funeral, estiveram dezenas de milhares de pessoas. O dia da sua morte é feriado no Afeganistão e Massoud um herói nacional.

Massoud destacou-se logo após a invasão soviética, sucedida a 24 de dezembro de 1979, para apoiar um governo dirigido pelo partido comunista local, que chegara ao poder no ano anterior e que enfrentava a resistência dos movimentos islâmicos ao mesmo tempo que estava dividido em duas fações que se digladiavam entre si.

O seu papel ao longo da resistência contra o ocupante soviético e seus aliados afegãos, que combate com poucos meios obtendo, no entanto, importantes vitórias, vão valer-lhe o cognome de Leão de Panjshir, vale na província do mesmo nome que Massoud transformou em base de operações. Tendo começado com poucas centenas de combatentes, no final dos anos 80 reunia uma força de cerca de 13 mil homens, considerada a mais operacional e efetiva entre todos os grupos da resistência.

Após a retirada soviética, esta força vai revelar-se determinante no confronto com o regime de Mohammad Najibullah, o líder dos comunistas afegãos que se manterá no poder até 1992. É então que a Aliança do Norte, que reunia diferentes fações das quais uma das mais importantes era a de Massoud, passa a dirigir o Afeganistão. Mas num ambiente de permanente conflito, que irá opor a maioria dos grupos islâmicos ao de outro dirigente da resistência, Gulbuddin Hekmatyar, que reivindicava o direito de ser ele a governar. O conflito acabará por facilitar a chegada ao poder dos talibãs em 1996.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?