A língua franca de João Lourenço na Europa foi a diplomacia

O presidente angolano terminou ontem uma visita oficial à Bélgica, depois de se ter reunido com Emmanuel Macron em Paris. Luanda assume um papel decisivo na pacificação do conflito nos Grandes Lagos

Ao mesmo tempo que o presidente angolano, João Lourenço, viajava entre duas capitais europeias, Paris e Bruxelas, Angela Merkel falava com António Costa, em Lisboa, sobre a evolução recente da política de Luanda. Não se tratou apenas de uma coincidência.

A transição política angolana, ao mesmo tempo pacífica e radical, despertou na Europa um interesse imediato. Por isso, com poucos dias de distância, Paul Kagame, presidente do Ruanda e da Organização da Unidade Africana (OUA), esteve em França e na Bélgica, a reunir-se com os mesmos líderes europeus. Na agenda estava uma urgência, explicada por Macron: "Uma iniciativa regional iniciada pela OUA com o apoio de Angola" para encontrar um caminho de paz para a República Democrática do Congo, o gigante país, em crise permanente que preocupa todo o continente. E a Europa...

A frase de Macron provocou uma reação agastada do porta-voz do regime de Joseph Kabila, que perguntou: "Como se pode falar da República Democrática do Congo sem a presença dela?" Nessa mesma declaração, o representante de Kinshasa deixou uma ameaça: "Nós não excluímos qualquer tipo de resposta. Digo-o porque somos um povo muito aguerrido, temos um exército muito bem equipado e preparado. Por isso, quem quer que se aventurasse a colocar-nos perante iniciativas hostis deveria saber que não estava a entrar num passeio turístico."

O "instrumento diplomático"

O Congo tem um calendário eleitoral definido para a sucessão de Kabila, que em dezembro termina o seu mandato de 17 anos. A realização de eleições livres e a garantia de uma transição democrática são os objetivos desta última semana de intensa diplomacia envolvendo Angola, Ruanda, França e Bélgica. As crises endémicas ou a fraqueza dos países francófonos vizinhos ou próximos do Congo-Kinshasa (Camarões, Congo-Brazavile, Gabão, República Centro-Africana...) terão feito Macron privilegiar Angola na questão espinhosa de Kabila.

Essa é, ainda, uma das explicações para a candidatura de Angola à Organização Internacional da Francofonia (OIF). O Congo é o mais populoso dos países francófonos e é, também, o país com o qual Angola partilha uma importante etnia, os bacongos, com língua comum, kikongo.

A estratégia económica

Mas a própria estratégia diplomática francesa, definida por Macron, justifica essa decisão. Em janeiro passado, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, esteve reunido em Lisboa com Augusto Santos Silva. Aí, os dois chefes da diplomacia concordaram que a "lusofonia" e a "francofonia" deviam cooperar (participando, de forma cruzada, na CPLP e na OIF - Organização Internacional da Francofonia) porque, explicou Le Drian, estas "não são apenas organizações de defesa da língua, mas que levam a diferentes continentes os nossos valores, os nossos princípios de diálogo, de cooperação e de solidariedade e que constituem um instrumento diplomático de primeira linha".

"Angola está num momento de viragem histórico", resume uma fonte diplomática portuguesa. O chefe de Estado angolano tem, ainda, uma grande vantagem sobre Paul Kagame, o atual líder da OUA. O seu papel como líder da Frente Patriótica do Ruanda durante o genocídio dos anos 1990 ainda hoje motiva denúncias (no último número da New York Review of Books é feita uma análise ao papel de Kagame na violência no Ruanda e no Congo). Kagame é, ainda, um velho "inimigo" da França - país que acusou de ter apoiado o anterior regime hutu no massacre dos tutsis, a sua etnia. A grave situação humana no Congo não só ameaça a estabilidade interna em Angola (na semana em que Lourenço discutia o Congo em Paris, as autoridades angolanas entraram em prevenção para impedir o alastramento de uma nova epidemia de ébola na fronteira). É também um obstáculo para uma das prioridades de Luanda: a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral. Lourenço preside a secção de Política, Defesa e Segurança da organização. E tem, com a África do Sul, uma linha para o desenvolvimento da região que passa por combater a corrupção e valorizar as fontes económicas únicas da região (um exemplo: o Congo tem as maiores reservas mundiais de volframite, um mineral utilizado na maioria dos gadgets modernos).

João Lourenço foi claro numa entrevista à Euronews: "Angola está cercada, não por países lusófonos mas por países francófonos e anglófonos. Portanto, não se admirem que estejamos a pedir agora a adesão à francofonia e que daqui a uns dias estejamos a pedir também a adesão à Commonwealth."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.