Democrata Alexandria Ocasio-Cortez vai partilhar no Twitter como ser uma estrela

Ocasio-Cortez é uma das oradoras de uma sessão que pretende apresentar novas formas de utilizar as redes sociais aos legisladores mais velhos.

A senadora norte-americana Alexandria Ocasio-Cortez publica vídeos a dançar e trava discussões no Twitter. E a forma como a democrata usa as redes sociais pode estar prestes a fazer escola, segundo o USA Today. Ocasio-Cortez é uma das oradoras de uma sessão sobre estratégia para cativar no Twitter organizada pelo departamento de comunicação da câmara dos democratas no Congresso dos Estados Unidos, nesta quinta-feira.

A ideia surgiu depois de se ter chegado à conclusão, no ano passado, de que há legisladores que não entendem a forma como as plataformas digitais como o Facebook ou a Google ganham dinheiro. Por isso, Ocasio-Cortez, uma novata no congresso com 29 anos e 1341 seguidores no Twitter, vai partilhar o seu conhecimento sobre o mundo das redes sociais.

"A geração de senadores mais velhos é bastante ignorante quanto à forma como as plataformas de redes sociais funcionam. É bastante claro que há muitos membros com 25 anos nos escritórios [a gerir as redes sociais]", disse o democrata Jim Himes, outro orador da sessão, que tem 76,500 seguidores no Twitter.

"A Alexandria construiu muito rapidamente uma base nacional de seguidores", continuou Jim Himes. Ocasio-Cortez é o membro mais jovem do congresso e tornou-se uma espécie de sensação pelas suas ideias progressivas e a utilização das redes sociais para partilhar as suas opiniões, posições políticas e mostrar o seu lado mais descontraído.

"Os membros mais novos pensam as redes sociais como uma forma de comunicação já estabelecida tal como a imprensa, a televisão ou a rádio", referiu Josh Hawley, outro dos mais jovens senador norte-americano.

E as lições sobre o Twitter no Congresso americano podem não ficar por aqui. O porta-voz desta rede social, Nicholas Pacilio, disse que a plataforma tem previsto continuar a fazer sessões quer para democratas quer para republicanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.