A Cambridge Analytica vai fechar portas

Empresa envolvida no escândalo da troca de dados pessoais de utilizadores do Facebook anunciou que vai parar as operações

A empresa Cambridge Analytica vai fechar portas, na sequência do escândalo da utilização de dados de 87 milhões de utilizadores do Facebook para direcionar propaganda política a favor da candidatura de Donald Trump à presidência dos EUA.

A notícia foi inicialmente avançada pelo Wall Street Journal mas pouco depois confirmada pela própria empresa, em comunicado.

No texto, publicado na íntegra pela CNBC, a Cambridge Analytica informa que pediu insolvência no Reino Unido - país no qual é sediada - e que parou "de imediato todas as operações".

Uma vez que a empresa tem dependências nos Estados Unidos, serão ainda abertos "em paralelo processos de insolvência" relativos a estas explorações, bem como relativamente às suas filiadas. Estes procedimentos correrão no estado de Nova Iorque.

A empresa faz no entanto questão de sublinhar que não cometeu qualquer ato ilegal, argumentando ser vítima de "acusações infundadas".

"Nos últimos meses, a Cambridge Analytica foi alvo várias acusações infundadas e, apesar das tentativas da empresa para corrigir essas informações, tem sido vilipendiada por atividades que não apenas são legais como comummente aceites como padrão na atividade online de publicidade e propaganda política", escreve a empresa no referido comunicado.

A empresa garante ainda que cumprirá "todas as obrigações legais" para com os seus funcionários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.