A ascensão e queda esperada de Bannon na Casa Branca

Donald Trump abriu a porta de saída ao chefe de estratégia. Não foi uma surpresa. Há muito que se falava que os dias deste estavam contados. Charlottesville precipitou o desfecho

"You"re fired" - em português: "está despedido". Durante 14 temporadas foi esta a frase com que Donald Trump eliminava os concorrentes do reality show O Aprendiz. Agora, na Sala Oval, o presidente dos EUA parece manter um registo semelhante, tendo em conta a onda de saídas e demissões em sete meses de presidência. Ontem a porta da rua abriu-se para Steve Bannon, o chefe de estratégia da Casa Branca, conhecido também pelas ligações à extrema-direita.

Nas últimas semanas - e principalmente depois dos protestos e confrontos em Charlottesville -, era cada vez mais claro que os dias de Bannon ao serviço de Administração estavam contados. O agora ex-estratega de Trump há muito que tinha entrado em rota de colisão com outras fações dentro da Casa Branca, nomeadamente com Jared Kushner, conselheiro e sogro do presidente.

Escreve o The Washington Post que o general John Kelly - que há três semanas assumiu o posto de chefe de gabinete do presidente com a missão de pôr ordem na equipa da Casa Branca - já tinha decidido há algum tempo que Bannon teria que sair. Tudo se precipitou nos últimos dias. Com os confrontos de sábado em Charlottesville, entre supremacistas brancos e antifascistas - que resultaram na morte de Heather Heyer, de 32 anos -, levantaram-se cada vez mais vozes a pedir a saída de Bannon. Durante quatro anos, o chefe de estratégia de Donald Trump liderara o site de informação Breitbart News, que serve como plataforma para a extrema-direita norte-americana. A continuidade de Bannon entre os próximos de Trump seria assim cada vez mais prejudicial para a imagem de uma Casa Branca que vive tempos conturbados. "Vamos ver", respondeu o presidente na quarta-feira, quando os jornalistas lhe perguntaram sobre a fragilidade do emprego de Bannon.

No dia seguinte, a poeira aumentou ainda mais com uma entrevista que o chefe de estratégia deu à revista progressista The American Prospect. Bannon aproveitou para contradizer Trump na questão da Coreia do Norte, rejeitando a hipótese de uma intervenção militar. De acordo com a imprensa norte-americana, fontes próximas de Bannon levantam duas hipóteses. Há quem defenda que ele pensava que a conversa com o editor da publicação era em off the record. Mas outros dizem que foi propositado para partir definitivamente a corda.

Também ainda não é claro se Bannon saiu pelo próprio pé ou se foi empurrado. Segundo Sarah Huckabee Sanders, porta-voz da Casa Branca, Kelly e o chefe de estratégia chegaram a mútuo acordo para a saída. No entanto, o The Washington Post, a Reuters e o The New York Times escrevem todos que a decisão partiu de Donald Trump. O Politico acrescenta ainda que o presidente "estava farto" da forma como Bannon lidava com os assuntos e que andava a pensar em formas de fazê-lo sair.

Na mesma conferência de imprensa em que Trump disse "vamos ver" sobre a continuidade do seu chefe de estratégia, também sublinhou que Bannon era um "amigo" e uma "boa pessoa" e que tinha sido tratado pela imprensa de forma "injusta". O agora ex-estratega foi diretor de campanha de Trump e é visto como um dos artífices da sua eleição, tendo sido ele a moldar muitos dos slogans populistas com que o atual presidente convenceu os apoiantes. Bannon deixa a equipa de Donald Trump exatamente um ano e um dia depois de ter sido contratado para diretor de campanha.

"Há menos um supremacista branco na Casa Branca, mas isso não muda o homem que continua sentado atrás da secretária", afirmou ontem, em comunicado, Michael Tyler, o porta-voz da Comissão Nacional do Partido Democrata.

Bannon não foi a única saída a marcar o dia de sexta-feira. Também ontem, os 16 membros da Comissão Presidencial para as Artes e Humanidades, revoltados com a forma como Trump lidou com Charlottesville, apresentaram o pedido de demissão. "Não podíamos ficar sentados de forma indiferente sem nos levantarmos contra as suas palavras e ações". Todos os parágrafos da carta endereçada ao presidente começam com a palavra "resistir" e os assinantes chegam mesmo a sugerir a Trump que se demita. "Ignorar o seu discurso de ódio faria de nós cúmplices das suas palavras e ações", acrescentam os demissionários.

Por não ter distinguido claramente os supremacistas brancos dos contra-manifestantes em Charlottesville, sublinhando que havia culpados nos dois grupos, Trump tem sido alvo de uma tempestade de críticas. Mitt Romney, ex-candidato presidencial do Partido Republicano derrotado por Barack Obama nas eleições de 2012, disse ontem que Trump devia pedir desculpa ao norte-americanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".