"Vemo-nos depois, otários". Garrett, de 5 anos, escreveu o seu próprio obituário

Das cores preferidas aos pormenores do funeral, os pais fizeram-lhe várias perguntas e elaboraram um texto de despedida, que se tornou viral

Garrett Matthias, de 5 anos, gostava de brincar com a irmã, do seu coelho de peluche azul, de ouvir trash metal, dos Legos e do Batman. Não gostava de vestir calças e odiava "o cancro estúpido e nojento", as agulhas, a máscara de oxigénio. Quando morresse, queria transformar-se num gorila e viver numa árvore. Informações que constam do obituário que o menino preparou poucos dias antes de morrer.

Com base nas perguntas que foram fazendo ao filho no último mês, Emilie e Ryan Matthias escreveram o seu obituário, que entretanto se tornou viral. Garrett morreu no dia 6 de julho, vítima de um cancro raro, um tumor que ataca o osso temporal e o nervo craniano, conta o The Guardian.

As suas cores favoritas eram "o azul... e o vermelho e o preto e o verde". O "Batman... o Thor, o Iron Man, o Hulk e o Cyborg" eram os seus heróis de eleição. Quando fosse adulto, sonhava ser um lutador de boxe profissional.

Mas esta não é uma história com final feliz. "Quando eu morrer: vou ser um gorila e atirar cocó ao papá".

Questionado sobre se preferia ser cremado ou enterrado, Garrett escolheu ser cremado, "como a mãe do Thor". Assim, explicou, podia transformar-se numa árvore e viver nela quando fosse gorila. E, como "os funerais são tristes", queria "cinco insufláveis", porque tinha cinco anos. Desejos que o pais vão cumprir, numa cerimónia que decorre hoje, no Iowa, nos EUA.

No final do texto, os pais agradecem a todos os profissionais de saúde que "trabalharam incansavelmente" para curar o filho. "Garrett suportou nove meses de inferno antes de perder a batalha contra o cancro. Durante esse tempo, nunca perdeu o sentido de humor e adorava brincar com os médicos e enfermeiros", escreveram.

O obituário termina com um: "Vemo-nos depois, otários".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.