"Vemo-nos depois, otários". Garrett, de 5 anos, escreveu o seu próprio obituário

Das cores preferidas aos pormenores do funeral, os pais fizeram-lhe várias perguntas e elaboraram um texto de despedida, que se tornou viral

Garrett Matthias, de 5 anos, gostava de brincar com a irmã, do seu coelho de peluche azul, de ouvir trash metal, dos Legos e do Batman. Não gostava de vestir calças e odiava "o cancro estúpido e nojento", as agulhas, a máscara de oxigénio. Quando morresse, queria transformar-se num gorila e viver numa árvore. Informações que constam do obituário que o menino preparou poucos dias antes de morrer.

Com base nas perguntas que foram fazendo ao filho no último mês, Emilie e Ryan Matthias escreveram o seu obituário, que entretanto se tornou viral. Garrett morreu no dia 6 de julho, vítima de um cancro raro, um tumor que ataca o osso temporal e o nervo craniano, conta o The Guardian.

As suas cores favoritas eram "o azul... e o vermelho e o preto e o verde". O "Batman... o Thor, o Iron Man, o Hulk e o Cyborg" eram os seus heróis de eleição. Quando fosse adulto, sonhava ser um lutador de boxe profissional.

Mas esta não é uma história com final feliz. "Quando eu morrer: vou ser um gorila e atirar cocó ao papá".

Questionado sobre se preferia ser cremado ou enterrado, Garrett escolheu ser cremado, "como a mãe do Thor". Assim, explicou, podia transformar-se numa árvore e viver nela quando fosse gorila. E, como "os funerais são tristes", queria "cinco insufláveis", porque tinha cinco anos. Desejos que o pais vão cumprir, numa cerimónia que decorre hoje, no Iowa, nos EUA.

No final do texto, os pais agradecem a todos os profissionais de saúde que "trabalharam incansavelmente" para curar o filho. "Garrett suportou nove meses de inferno antes de perder a batalha contra o cancro. Durante esse tempo, nunca perdeu o sentido de humor e adorava brincar com os médicos e enfermeiros", escreveram.

O obituário termina com um: "Vemo-nos depois, otários".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.