Incidentes nas homenagens às vítimas dos atentados em Bruxelas

Polícia de intervenção dispersou manifestantes na Praça da Bolsa. Dez pessoas foram detidas

Apesar de a "marcha contra o medo" planeada para este domingo ter sido cancelada, centenas de pessoas continuam a prestar homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, na Praça da Bolsa. No entanto, a tarde foi perturbada por incidentes que acabaram com a polícia a dispersar algumas centenas de manifestantes.

Segundo o jornal belga Le Soir, algumas centenas de "hooligans" geraram uma "tensão palpável" no local, com as pessoas que foram prestar homenagem às vítimas dos atentados, tendo sido acusados de serem de extrema-direita. As autoridades belgas carregaram mesmo sobre o grupo, usando canhões de água.

A AFP cita fonte da polícia que confirmou a detenção de dez pessoas, explicando que cerca de 200 manifestantes vestidos com roupa preta e muitos de cara tapada, identificados como elementos da extrema-direita, gritaram frases anti-imigração, lançaram projéteis incendiários contra as forças de ordem e destruíram mobiliário urbano quando chegaram à praça da Bolsa, que tem sido o epicentro dos tributos às vítimas dos atentados.

"Os fascistas é que são terroristas", "não quero fascistas no meu bairro", foram algumas das palavras de ordem das pessoas contra o grupo de elementos vestidos de preto que se aproximou das baias de proteção da zona da Bolsa.

O grupo foi empurrado pelas autoridades em direção à Gare do Norte e, no caminho, cometeram pequenos atos de vandalismo, derrubando vasos e caixotes de lixo.

Em declarações à Lusa, um dos manifestantes vestidos de negro disse "estar farto disto: Eles só têm direitos, não querem ter obrigações", numa referência aos imigrantes. O homem falou à Lusa em espanhol, alegando ser descendente de imigrantes espanhóis mas afirmando-se diferente de quem está a chegar agora. "Estou farto do que se passa. Tanto faz sejam muçulmanos ou não. Eles nem têm que trabalhar porque lhes dão tudo", afirmou o elemento do grupo, integralmente vestido de preto e que foi afastado da Praça da Bolsa pelas autoridades belgas.

Para o local estava agendada hoje a "Marcha contra o Medo", às 14:00 locais, que foi desconvocada após um apelo das autoridades, mas a população e turistas continuaram a dirigir-se para o local onde estão depositadas flores, velas e mensagens em prol da paz.

(Notícia atualizada às 17:59)

Exclusivos

Premium

Gastronomia

Quem vai ganhar em Portugal as próximas estrelas Michelin

É já no próximo dia 20, em Sevilha, que vamos conhecer a composição ibérica das estrelas Michelin para 2020. Estamos em festa, claro, e festejaremos depois com os nossos bravos, mesmo sabendo que serão poucos para o grande nível a que já chegámos. Fernando Melo* escreve sobre os restaurantes que podem ganhar estrelas Michelin em 2020 em Portugal.