Número de mortos dos incêndios na Grécia sobe para 88

Entre as vítimas mortais estão três crianças

O número de mortos nos incêndios que assolaram a costa de Atenas, na Grécia, na segunda-feira, subiu para 88, entre os quais três crianças, segundo um novo balanço divulgado hoje pelo Governo grego.

As três crianças - as gémeas Sophia e Vasiliki, de nove anos, e um menino de 11 anos - figuram entre as vítimas identificadas, bem como uma mulher de 42 anos que morreu no hospital, onde uma dúzia de vítimas permanece internada em estado grande, adianta o Ministério da Saúde em comunicado.

Aquele ministério informou ainda que 48 pessoas estão atualmente hospitalizadas, incluindo duas crianças, que progridem favoravelmente e podem receber alta no início da semana.

Segundo as autoridades, nove dos feridos estão em estado crítico.

Até ao momento, foram identificadas 12 vítimas mortais, entre as quais as duas gémeas, cujos pais acalentavam a esperança de encontrá-las vivas, tendo o seu desaparecimento desencadeado uma grande operação de busca.

O pai achou que as tinha reconhecido num barco que resgatara várias pessoas no dia do incêndio. Contudo, as meninas foram encontradas mortas junto com os seus avós na sua casa de verão em Mati, localiza a uma hora de Atenas, segundo a agência espanhola Efe.

O Governo informou na sexta-feira que cerca de 40 pessoas que estavam desaparecidas regressaram a casa.

Tsipras, assumiu "a responsabilidade política pela tragédia" dos incêndios de segunda-feira

Até agora, os especialistas inspecionaram 3.505 casas afetadas pelos incêndios, das quais 998 foram declaradas em ruínas e 794 temporariamente inabitáveis, de acordo com os últimos dados do Ministério da Infraestrutura.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, assumiu, na sexta-feira, "a responsabilidade política pela tragédia" dos incêndios de segunda-feira no país.

Até agora, não existe uma lista oficial de pessoas desaparecidas, porque as autoridades não querem especular até que todos os corpos sejam identificados.

O Governo grego divulgou na quinta-feira uma série de imagens de satélite que apontam que os incêndios foram premeditados.

O ministro da Proteção ao Cidadão disse ainda que não são apenas "sinais", mas há "evidências" e testemunhos que sustentam esta hipótese.

Em menos de meia hora foram registados treze focos diferentes, todos alinhados paralelamente à estrada, como mostram as fotos e os vídeos dos satélites.

O Governo de Alexis Tsipras pediu ajuda internacional na noite de segunda-feira, tendo já alguns países respondido com meios de apoio.

Portugal disponibilizou 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.