Idosas japonesas cometem pequenos furtos para terem conforto da prisão

Maiores de 65 anos são responsáveis por mais de um terço de todos os crimes cometidos por mulheres no país. Cometem pequenos furtos, esperando encontrar apoio e companhia nas cadeias

Uma em cada cinco mulheres presas nas cadeias japonesas tem mais de 65 anos. Este indicador, revela uma reportagem da Bloomberg, tem na sua origem um fenómeno de solidão. No país mais envelhecido do mundo, com 27,3% da população acima dos 65 anos, mais de seis milhões de idosos vivem sozinhos. E muitas japonesas preferem procurar o apoio e companhia de uma cadeia a enfrentarem sozinhas a terceira idade.

Estas idosas são, regra geral (nove em cada dez casos), presas e condenadas por pequenos crimes, como furtos cometidos em lojas. E representam já mais de um terço de toda a criminalidade cometida por mulheres.

Uma sondagem realizada em 2017 pelas autoridades de Tóquio concluiu que mais de metade das mulheres apanhadas a roubar em lojas vivem sozinhas e cerca de 40% não têm família ou raramente contactam com os seus parentes.

Exclusivos