Hong Kong acusa: posição dos EUA terá impacto negativo na economia

Carrie Lam, a líder de Hong Kong critica Washington pela resolução de apoio aos direitos humanos e à democracia no território. "Vai ter um impacto negativo na economia da cidade", garante.

É, de novo, a resposta das autoridades do território, assolado há meses pelos protestos dos jovens que reclamam mais democracia, à posição de Washington, de apoio aos protestos. "A assinatura da legislação vai ter um impacto no desenvolvimento económico da cidade. Isso prejudicará a confiança e criará um ambiente instável que vai afetar as empresas norte-americanas com sede em Hong Kong", disse Carrie Lam, em conferência de imprensa.

"Teremos que ver quais as avaliações que eles [Estados Unidos] fazem. Mas é claro que isso terá um impacto. Isso apenas cria incerteza e não é bom para o desenvolvimento económico", reforçou.

A chefe do Executivo local voltou a condenar aquela resolução, aprovada na semana passada pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e sublinhou tratar-se de uma "clara interferência nos assuntos internos de Hong Kong".

Estas afirmações chegam um dia depois de a China ter proibido navios e aeronaves militares norte-americanas de estacionar em Hong Kong, numa retaliação contra a medida aprovada por Washington, uma legislação que permite sancionar autoridades chinesas que violem os direitos humanos na região semiautónoma.

Pequim decidiu ainda punir organizações não-governamentais (ONG) como a Human Rights Watch (HRW), indicou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying, que voltou a considerar a retificação da Lei dos Direitos Humanos e Democracia em Hong Kong uma "grave violação do Direito internacional".

"Vamos apoiar o Governo central e as medidas adotadas nesse sentido", afirmou Carrie Lam, frisando que os cidadãos de Hong Kong "desfrutam de liberdade de imprensa, liberdade religiosa e liberdade de reunião".

O texto aprovado por Trump põe em causa o estatuto comercial de que beneficia atualmente a região administrativa especial chinesa e prevê sanções contra autoridades chinesas responsáveis por violações dos direitos humanos em Hong Kong, como detenções arbitrárias e extrajudiciais, tortura ou confissões forçadas.

A líder de Hong Kong anunciou ainda "medidas de alívio" para sustentar a economia da cidade, depois do anúncio, na segunda-feira, de que Hong Kong vai registar este ano o primeiro défice orçamental em 15 anos.

Carrie Lam não especificou em que consistem essas novas medidas, e apenas se comprometeu a encontrar uma maneira de parar a violência "da forma mais rápida possível" para que a economia "volte ao normal".

Hong Kong é há seis meses palco de manifestações, iniciadas em protesto contra uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria extraditar criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

O Governo de Hong Kong acabou por retirar a proposta, cedendo a uma das exigências dos manifestante. Mas a decisão não foi suficiente para travar os protestos antigovernamentais em prol de reformas democráticas e contra a alegada crescente interferência de Pequim no território.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...