Homem morre após ataque de raia em praia da Tasmânia

O naturalista australiano Steve Irwin, conhecido como "o caçador de crocodilos", morreu em 2006, vítima de um ataque semelhante

Um homem de 42 anos morreu depois de ter sofrido um ataque de uma raia na costa da Tasmânia, pelo menos é essa a teoria da polícia australiana. Segundo as autoridades, a vítima sofreu uma paragem cardíaca depois de ter sofrido uma punção no abdómen. Aconteceu na praia de Lauderdale Beach.

A declaração da polícia refere que o ferimento foi causado "possivelmente por um animal marinho". A maioria das raias não é venenosa, mas existem algumas espécies que o são. As picadas das raias produzem uma punção dolorosa. Alguns sintomas de uma picada de arraia são os suores, ficar pálido, náuseas e vómitos, diarreia e alterações no ritmo cardíaco.

Apesar de não ser considerada um animal perigoso, uma raia esteve na origem da morte do conhecido naturalista australiano Steve Irwin, em 2006.

Conhecido como "o caçador de crocodilos" devido ao seu programa de televisão da vida selvagem, Irwin morreu quando a cauda de uma arraia o atingiu no coração.

Segundo a BBC, têm havido relatos de ataques de tubarão na Austrália recentemente e a polícia da Tasmânia fez questão de enfatizar que o incidente de Lauderdale Beach não está relacionado com tubarões.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.