Homem desaparecido há 48 anos encontrado graças a vídeo viral no Facebook

Empresário do Bangladesh tinha 30 anos e desapareceu em 1972, após uma viagem de negócios. Era casado e tinha quatro filhos. Família procurou por ele durante anos, sem sucesso.

Um homem de 70 anos, natural do Bangladesh, procurado pela família há quase meio século, foi encontrado graças a um vídeo viral numa rede social em que pede ajuda para um tratamento médico.

Habibur Rahman tinha 30 anos e era empresário, pai de quatro filhos, na cidade de Sylhet (nordeste), quando desapareceu em 1972, após uma viagem de negócios à cidade portuária de Chittagong, explicou hoje a sua família.

Os seus familiares próximos, a maioria a viver no estrangeiro, procuraram por Rahman durante anos, mas sem sucesso.

Até que a mulher de um dos seus netos, que vive nos Estados Unidos, viu Rahman num vídeo publicado neste mês no Facebook.

"Ela alertou-nos e corremos para o hospital e descobrimos que o meu avô está vivo", contou à agência de notícias France-Presse (AFP) Kefayat Hussain, um dos 13 netos do homem desaparecido, que vive atualmente em Sylhet.

O jovem de 20 anos disse que Habibur Rahman confirmou os nomes da sua mulher, que morreu em 2000, e de outros membros da família.

Segundo um funcionário que cuida de Rahman há cinco anos, o homem tornou-se um asceta que vivia no santuário sufista no distrito de Moulvibazar, ao sul de Sylhet.

Habibur Rahman foi internado no hospital Sylhet no início deste mês depois de partir o braço. Incapaz de financiar a sua operação, pediu a outro paciente para gravar um vídeo e publicá-lo no Facebook para tentar angariar fundos.

O vídeo foi partilhado e republicado por outros utilizadores de internet, tendo sido visualizado pelo menos um milhão de vezes.

"Ele não nos reconheceu inicialmente, mas quando viu os primos mais velhos soube imediatamente que éramos nós. Chorava como um bebé", afirmou Kefayat Hussain à AFP.

A família de Habibur Rahman indicou que ignora as razões do seu desaparecimento e que apenas estão entusiasmados por o terem descoberto ainda vivo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG