Hollande arrasa Barroso

Presidente francês considera "inaceitável" Barroso no Goldman Sachs - banco que "ajudou a maquilhar as contas da Grécia"

Presidente francês, François Hollande, condenou hoje como "moralmente inaceitável" o emprego do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso no banco Goldman Sachs.

O banco norte-americano Goldman Sachs anunciou na semana passada a contratação de Durão Barroso como presidente não-executivo da instituição e de consultor, num momento em que o setor financeiro foi abalado pelas dúvidas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

François Hollande, que visita Portugal no dia 19 deste mês, falava numa entrevista televisiva transmitida no âmbito das comemorações do dia nacional de França.

"Não fui eu que escolhi Barroso para presidente da Comissão da União Europeia. Ele esteve dez anos à cabeça da Comissão. A Goldman Sachs esteve no centro da crise dos subprimes e ajudou o Governo grego a maquilhar as contas da Grécia. Moralmente é inaceitável", diz Hollande.

[Goldman Sachs era o banco que aconselhava os gregos sobre como esconder os números]

"A Goldman Sachs foi um dos principais implicados [na crise dos subprimes] - banco que reencontrámos mais tarde no caso grego. Era o banco que maquilhava as contas que a Grécia transmitia à União Europeia. Agora ficamos a saber, alguns anos mais tarde, que o senhor Barroso vai entrar no Goldman Sachs".

Antes de Hollande, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Marc Ayrault, defendeu que Barroso tem que renunciar ao emprego ou irá reforçar "o populismo" e o ceticismo em relação à Europa.

"Deve [renunciar], é uma questão de ética, de moral", declarou numa entrevista à emissora Europe 1, acrescentando que a contratação é "totalmente chocante e melhor seria que Barroso fizesse outra coisa".

Ontem, o governo francês pediu a Durão Barroso para desistir do emprego no grupo Goldman Sachs, juntando-se ao coro de vozes contra a nomeação do ex-presidente da Comissão Europeia para o cargo de chairman em Londres e de consultor.

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus francês, Harlem Desir, disse que a "escandalosa" escolha levanta questões sobre os conflitos de interesses na União Europeia e que as regras sobre as incompatibilidades precisam de ser apertadas e considerou que "moralmente, politicamente, eticamente, é uma falha" por parte de Barroso. "Apelo, pois, solenemente, a que abandone esse cargo", disse Désir.

Em reação à notícia, o Provedor de Justiça Europeu pediu na terça-feira que as regras em relação ao período de nojo dos ex-comissários sejam apertadas.

Também o comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, considerou que o ex-primeiro-ministro português devia ter feito uma reflexão "política, ética e pessoal" quando foi contratado pelo Goldman Sachs.

Quando um político passa para o setor privado deve "pensar na imagem que projeta", acrescentou Pierre Moscovici, sublinhando que quando terminar o mandato que ocupa atualmente como comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros da União Europeia não vai para a Goldman Sachs.

Barroso disse que a sua nomeação tinha como objetivo ajudar o Goldman Sachs a mitigar as consequências do brexit e a preparar-se para saída da UE.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG