Há pelo menos 42 mortos na sequência do tufão Hagibis

Outras 200 pessoas ficaram feridas no Japão, após a passagem da tempestade. Mais de 110 000 membros de equipas de socorro continuam as operações de busca e resgate. Primeiras 72 horas são cruciais para salvar vidas.

Pelo menos 42 pessoas morreram e 200 ficaram feridas no Japão, após passagem do tufão Hagibis, enquanto mais de 110 000 membros de equipas de socorro continuam as operações de busca e resgate, noticiou a emissora pública nipónica NHK.

O ministro da Defesa do Japão, Taro Kono, que ordenou o envio de 31 000 polícias, lembrou, durante uma reunião de emergência, que as primeiras 72 horas são cruciais para salvar vidas.

Mais de 110 000 policias, bombeiros, guarda costeira e exército participam nas operações, segundo dados do Governo.

Os esforços de resgate podem ser dificultados pela previsão de chuva para hoje nas áreas afetadas, especialmente à noite, sendo que as autoridades solicitaram extrema cautela devido ao aumento do risco de inundações e deslizamentos de terra.

Além disso, pediram à população que se afastasse de áreas perigosas, como rios e encostas das montanhas.

O número de mortes causadas pela passagem do tufão Hagibis pelo Japão chegou a pelo menos 42, sendo que uma alta percentagem delas, 13, ocorreu na província de Fukushima e outras oito na vizinha Miyagi (nordeste), de acordo com a NHK.

Cerca de 20 pessoas estão desaparecidas e cerca de 200 ficaram feridas, segundo dados recolhidos pelas forças de resgate e autoridades locais.

O Hagibis tocou terra no sábado pouco antes das 19:00 (13:00 em Lisboa) e, cerca de duas horas depois, chegou à capital japonesa com rajadas de vento até 200 quilómetros por hora, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG