Há dois chefes "do golpe, da farsa e da traição", acusa Dilma

Presidente lançou duro ataque contra vice-presidente, Michel Temer, e contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Nem nunca os nomear.

Um dia depois de a Comissão do Impeachment ter votado o parecer favorável á destituição de Dilma Rousseff, a presidente brasileira (do Partido dos Trabalhadores, PT) lançou um duro ataque contra o seu vice, Michel Temer, e contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. "Há dois chefes da conspiração que agem em conjunto de forma premeditada", afirmou a chefe do Estado num encontro com pais, alunos e professores no Palácio do Planalto.

Sobre a gravação áudio enviada por Temer por engano aos deputados do seu PMDB e na qual ele fala como se já fosse presidente, Dilma sublinhou: "Vivemos estranhos tempos de golpe, farsa e traição", dizendo ter ficado "chocada" com as palavras do seu vice-presidente.

"Tentarão nos intimidar. Tentarão nos tirar das ruas. É possível novos vazamentos ilegais, é possível novas acusações sem prova", disse ainda Dilma.

Esta foi a primeira reação da presidente depois de a Comissão do Impeachment ter aprovado, por 38 votos contra 27, o parecer do relator Jovair Arantes favorável à abertura do processo de destituição de Dilma. A votação em plenário está prevista para domingo. Para passar ao Senado, o impeachment precisa dos votos favoráveis de 342 dos 513 deputados. Para arquivar o pedido, Dilma precisa de 172.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG