Guterres felicita vencedores do Nobel da Paz pela luta pelos direitos humanos

O secretário-geral da ONU felicitou esta sexta-feira o congolês Denis Mukwege e a iraquiana Nadia Murad, galardoados com o Prémio Nobel da Paz pela sua luta pelos direitos humanos e contra a violência sexual.

"A violência sexual em conflitos é uma ameaça à paz e uma mancha na nossa humanidade comum. No entanto, ainda é generalizada. Parabéns aos nossos parceiros nas Nações Unidas, Denis Mukwege e Nadia Murad. Continuaremos a apoiar os seus esforços corajosos", escreveu Guterres na sua conta no Twitter.

O secretário-geral da ONU lembrou que Nadia Murad "deu voz ao abuso inqualificável no Iraque, quando extremistas violentos do Daesh (o grupo 'jihadista' Estado Islâmico) atacaram brutalmente os Yazidi, especialmente mulheres e meninas ".

"Como embaixadora da boa vontade para o gabinete das Nações Unidas sobre Drogas e Crime desde 2016 tem procurado apoiar as vítimas de tráfico humano e escravidão sexual. A sua defesa poderosa tocou pessoas de todo o mundo e ajudou a estabelecer uma investigação de importância vital para as Nações Unidas sobre os crimes atrozes que ela e muitos outros sofreram ", acrescentou.

Em relação a Denis Mukwege, Guterres afirmou que é "um corajoso defensor dos direitos das mulheres presas em conflitos armados que sofreram violações, exploração e outros horrendos abusos".

"Apesar das ameaças regulares à vida, fez do Hospital Panzi, na República Democrática do Congo, um refúgio para o abuso. As Nações Unidas apoiam os seus esforços. Tem sido uma voz forte, chamando a atenção do mundo para os crimes chocantes cometidos contra mulheres em tempos de guerra. Como cirurgião especialista e sensível, não só curou corpos destroçados, mas também restaurou a dignidade e a esperança ", acrescentou Guterres.

Há dez anos, o Conselho de Segurança da ONU condenou por unanimidade a violência sexual como arma de guerra e "hoje o Comité Nobel reconheceu os esforços de Nadia Murad e Denis Mukwege como ferramentas vitais para a paz".

"Honrando esses campeões da dignidade humana, este prémio também reconhece inúmeras vítimas em todo o mundo que têm sido muitas vezes estigmatizadas, escondidas e esquecidas. Este também é o seu prémio", disse.

António Guterres acrescentou que acredita que este prémio é "parte de um movimento crescente para reconhecer a violência e a injustiça que metade da população enfrenta desproporcionalmente".

O Comité Nobel Norueguês anunciou esta sexta-feira que o Nobel da Paz foi atribuído ao congolês Denis Mukwege e à iraquiana Nadia Murad pelos "seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflitos armados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.