Guarda costeira líbia detém embarcações com cerca de 550 pessoas

O fluxo migratório a partir da Líbia tem aumentado desde a queda de Muammar Khadafi em 2011

Cerca de 550 migrantes que tentavam chegar à Europa por mar foram hoje detidos, na que foi a segunda operação de interceção de embarcações de transporte clandestino de migrantes em dois dias, anunciou a guarda costeira líbia.

"A guarda costeira do oeste [da Líbia] que patrulhava na zona da refinaria de Zaouia (45 quilómetros a oeste de Trípoli) intercetou hoje quatro grandes canoas pneumáticas que transportavam cerca de 550 migrantes clandestinos", indicou o coronel Ayoub Qassem, porta-voz da marinha líbia, citado pela agência France Presse.

Estes migrantes "são originários de vários países de África", afirmou ainda à AFP. "Há entre eles 30 mulheres, das quais oito grávidas, e três crianças".

"Os migrantes foram conduzidos às autoridades de luta contra a migração clandestina, antes de serem transferidos para centros de acolhimento", precisou Qassem.

O fluxo migratório a partir da Líbia, cuja costa fica a menos de 300 quilómetros da costa italiana, tem aumentado fortemente, desde que a queda de Muammar Khadafi em 2011 deu lugar ao caos no país e deixou a via livre aos traficantes de seres humanos.

No passado domingo, cerca de 850 migrantes clandestinos a bordo de sete embarcações foram intercetados pela guarda costeira líbia, numa altura em que a meteorologia se mostra mais clemente e faz temer um novo fluxo massivo.

A guarda costeira italiana anunciou ter socorrido na segunda-feira cerca de 2.000 migrantes em resultado de uma dezena e meia de operações de resgate ao largo da Líbia.

Desde o início do ano, mais de 34 mil pessoas desembarcaram nas costas italianas depois de terem sido resgatadas no mar ao largo da Líbia, de acordo com números do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (HCR).

No fim de março, o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, estimou que cerca de 800 mil migrantes aguardavam a oportunidade de passar para a Europa a partir da Líbia.

De acordo com um relatório britânico publicado no passado dia 13, a operação naval da União Europeia contra os passadores de migrantes é "um fracasso" e apenas encoraja os traficantes a alterarem as suas estratégias.

A operação "Sofia", montada no verão de 2015, "não reduziu em nada o número de migrantes, não perturba as redes de traficantes, não constitui entrave ao tráfico humano no Mediterrâneo central", de acordo com o relatório da comissão dos Assuntos Europeus da Câmara dos Lordes, câmara alta do Parlamento britânico.

Os chefes da diplomacia da União Europeia deram "luz verde" ao alargamento do mandato da missão naval de luta contra os passadores de migrantes ao largo da Líbia, "Sofia", de forma a incluir a formação da guarda costeira libiana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG