Grécia pede ajuda à União Europeia para combater incêndios florestais

Pedido de ajuda foi enviado durante a tarde desta segunda-feira. Fogos já obrigaram milhares de pessoas a fugir dos arredores de Atenas.

A Agência de Proteção Civil da Grécia anunciou hoje que o país vai pedir ajuda à União Europeia (UE) para combater os incêndios florestais que lavram perto da capital, Atenas, e que já causaram queimaduras em seis pessoas.

Segundo a agência de notícias norte-americana Associated Press (AP), o pedido formal de ajuda à UE para o envio de meios, com vista a combater os incêndios florestais que já destruíram casas e forçaram milhares de pessoas a fugir dos arredores de Atenas, foi enviado ao final da tarde desta segunda-feira.

A porta-voz dos bombeiros disse à AP que seis pessoas foram também nesta segunda-feira hospitalizadas, na sequência de queimaduras causadas pelo incêndio que assolou o nordeste de Atenas, na área de Penteli, mas ainda é desconhecido o seu estado de saúde.

Três dos maiores hospitais de Atenas estão em alerta para receber mais vítimas se necessário.

As autoridades regionais gregas declararam o estado de emergência nas partes leste e oeste da grande Atenas, à medida que os incêndios provocados pelos ventos fortes se espalharam pelas florestas de pinheiros e pelas cidades junto ao litoral, em ambos os lados da capital grega.

Um primeiro incêndio florestal deflagrou hoje a nordeste de Atenas, na área de Penteli, estendendo-se à cidade de Rafina. Na cidade vizinha de Mati, a guarda costeira enviou um barco de patrulha para retirar as pessoas de uma praia que ficou cercada pelas chamas.

O segundo incêndio devastou florestas montanhosas de pinheiros, a 50 quilómetros a oeste de Atenas. O fogo criou uma nuvem de fumo tão espessa que as principais vias rodoviárias entre o Peloponeso (extensa península no sul da Grécia) e Grécia continental foram fechadas e uma nuvem alaranjada abateu-se sobre Atenas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.