Governo Trump queixa-se do Facebook por descriminar americanos nas contratações laborais

A empresa"criou intencionalmente um sistema de contratação que impede os americanos qualificados de terem uma hipótese de conhecerem e apresentarem-se" às vagas existentes, afirma o Departamento de Justiça.

O Departamento da Justiça americano anunciou esta quinta-feira ter apresentado uma queixa contra o Facebook, por "discriminação" na contratação, acusando a empresa de reservar mais de 2.600 postos de trabalho para estrangeiros, em detrimento de cidadãos dos EUA.

A empresa Facebook "criou intencionalmente um sistema de contratação que impede os (norte-)americanos qualificados de terem uma hipótese de conhecerem e apresentarem-se" a esses postos, segundo um comunicado do Departamento.

Segundo a queixa, a Facebook não divulgou estes postos no seu sítio na internet e recusou as candidaturas apresentadas em linha, para as reservar a pessoas que já trabalhavam para si com um visto temporário e desejosos de obterem a designada carta verde.

Para obter esta carta verde, que garante um estatuto de residente permanente nos EUA, é preciso ter um emprego permanente e o empregador provar que não tinha candidato cidadão dos EUA qualificado para o cargo.

Na queixa, a Facebok é acusada de, para contornar esta obrigação, criar um sistema de recrutamento discriminatório "rotineiro e generalizado".

Entre 01 de janeiro de 2018 e 18 de setembro de 2019, mais de 2650 postos foram divulgados desta forma. Em mais de 80% dos caos, não houve qualquer candidato dos EUA.

"A nossa mensagem para os empregadores, nomeadamente no setor tecnológico, é clara: 'vocês não podem preferir o recrutamento ilegal dos assalariados estrangeiros com vistos temporários ao dos (norte-)americanos'", comentou Eric Dreiband, com o dossier dos direitos cívicos no Departamento, citado no comunicado.

O governo de Donald Trump, que fez da luta contra a imigração uma das suas prioridades, procurou por várias vezes restringir os vistos H1-B muito utilizados no setor das altas tecnologias, mas confrontou-se com várias derrotas nos tribunais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG