Governo português alerta para tempestade tropical intensa em Moçambique e Tanzânia

O Governo português alertou todos os que pretendam viajar para Moçambique e Tanzânia de que se está a formar uma tempestade tropical intensa naqueles dois países

Através do Portal das Comunidades, do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Governo alerta para a necessidade de serem tomadas medidas de precaução devido à tempestade tropical, que deve afetar a região de Nampula e Cabo Delgado, em Moçambique, e sul da Tanzânia.

Entre as recomendações está o acompanhamento da situação através dos órgãos oficiais e de comunicação social, o evitar circular e permanecer em zonas ribeirinhas ou no perímetro das bacias hidrográficas, nomeadamente dos rios Messalo, Lúrio e Ligonha, em Moçambique, aconselhando a circulação somente em estradas que não representem perigo.

Aos viajantes portugueses, o executivo recomenda, ainda, que devem estacionar em locais protegidos e resguardados de objetos que possam constituir perigo, evitar a travessia de leitos de rio e obedecer às instruções das autoridades competentes.

No caso de Moçambique, o Governo lembra que, devido ao ciclone Idai, mantêm-se dificuldades de circulação e de comunicação em algumas zonas do país, nomeadamente em Sofala.

Acrescenta também que, desde outubro de 2017, têm sido noticiados vários ataques e incidentes graves na província de Cabo Delgado, "alegadamente praticados por um movimento insurgente de matriz islâmica, com impacto ao nível da segurança e ordem públicas", nos distritos de Mocímboa da Praia, Macomia, Palma, Nangade e Quissanga.

"A instabilidade e insegurança verificadas na província impõem reforçados cuidados de segurança, recomendando-se que as deslocações se limitem ao imprescindível. Desaconselha-se a permanência nas áreas mais afetadas", frisa o Governo no alerta, destacando a importância dos viajantes de informarem os consulados-gerais de Portugal em Moçambique das suas deslocações ao país.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.