Governo malaio reprova castigo a lésbicas

O chefe do Governo da Malásia considera que o castigo não reflete os valores do Islão. As duas mulheres foram espancadas, a sentença foi estipulada pelo Tribunal Superior da Sharia (lei islâmica) de Kuala Terengganu

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, condenou esta quinta-feira a punição de duas mulheres que foram espancadas por terem tido relações homossexuais, argumentando que a decisão não reflete os valores do Islão.

"O Governo (...) considera que [a punição] não reflete os ideais de justiça e compaixão do Islão", disse Mahathir, num vídeo difundido nas redes sociais.

O primeiro-ministro da Malásia referia-se a uma decisão, na terça-feira, do Tribunal Superior da Sharia de Kuala Terengganu que alegou que as duas mulheres violaram as leis islâmicas por terem tido relações homossexuais e que por essa razão foram açoitadas.

"Temos de mostrar que o Islão não é uma religião sem escrúpulos que humilha as pessoas com punições severa"

"Sendo o primeiro caso delas, (as mulheres) deveriam ter recebido conselhos e não uma punição", acrescentou o presidente.

"Temos de mostrar que o Islão não é uma religião sem escrúpulos que humilha as pessoas com punições severas", insistiu.

As duas mulheres, de 22 e 32 anos, foram detidas em abril depois de serem encontradas dentro de um carro perto de uma praça pública no estado conservador de Terengganu, no norte do país.

Ambas declararam-se culpadas de violar a lei islâmica e foram sentenciadas por um tribunal islâmico a uma multa de cerca de 690 euros.

A comunidade Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros (LGBT) tem sofrido crescentes pressões nos últimos anos na Malásia, um país onde cerca de 60% dos 32 milhões de habitantes são muçulmanos.

O sistema judicial na Malásia permite que os tribunais islâmicos tenham poder em relação a questões religiosas e familiares, bem como em casos como o adultério.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.