Aprovação de Dilma sobe de 9% para 11,4%

88.6% dos inquiridos no estudo da MDA têm acompanhado as investigações da Operação Lava Jato.

O estudo levado a cabo pela MDA a pedido da Confederação Nacional do Transporte (CNT), revelou que a avaliação positiva da presidente Dilma Rousseff passou de 9% em outubro de 2015 para 11,4% de fevereiro deste ano. Números ainda muito baixos, mas mesmo assim a revelar uma inversão da tendência.

No entanto 62,4% dos entrevistados analisa de forma negativa a prestação do governo brasileiro.

A sondagem revelou que apesar de agora 40,3% se opor ao impeachment , 55.6% continuam a achar que a presidente Dilma devia suspender funções no governo federal.

Contudo, o estudo levado a cabo entre os dias 18 e 21 de fevereiro, foi concluído um dias antes da noticia da detenção do principal conselheiro político de Dilma.

A notícia da detenção de João Santana, na passada terça-feira, aproxima cada vez mais Dilma do escândalo de corrupção da Petrobas e dá um novo fôlego à oposição para continuar com os protestos e exigir o seu impeachment.

As autoridades procederam à detenção de Santana sob suspeitas de este ter recebido dinheiro associado a esquemas de suborno e de corrupção que envolviam a empresa estatal Petrobras.

Dezenas de outros políticos no governo de Dilma estão a ser investigados pelo envolvimento nestes esquemas de corrupção e com a petrolífera estatal.

Por enquanto Dilma Rousseff não se encontra sob investigação mas o seu mentor e antecessor, Lula da Silva, está na mira da justiça após ter sido revelado que o mesmo é proprietário de um apartamento de luxo construído por uma das firmas envolvidas no escândalo Petrobras.

O estudo feito pelo CNT/MDA revela ainda que em cada três brasileiros dois acreditam que o ex-presidente Lula deve ser responsabilizado por este escândalo de corrupção.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.