Governo britânico recua na intenção de listar trabalhadores estrangeiros

Ministro da Defesa garante que o projeto foi "mal interpretado"

O governo britânico recuou hoje na intenção de pedir às empresas para fazerem listas com os trabalhadores estrangeiros, uma iniciativa que surgiu esta semana no congresso do Partido Conservador e suscitou indignação.

"Não vamos pedir às empresas para fazerem listas, nomearem ou identificarem os trabalhadores estrangeiros", afirmou na rádio BBC o ministro da Defesa, Michael Fallon, acrescentando que o projeto foi "mal interpretado".

Fallon referiu que as empresas podem, "simplesmente, indicar os números".

A iniciativa, destinada a levar as empresas a privilegiarem os trabalhadores nacionais, foi apresentada na quarta-feira no congresso anual do Partido Conservador, em Birmingham, pela ministra do Interior, Amber Rudd, e suscitou de imediato vivas críticas.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, acusou os conservadores de avivarem a "xenofobia" e a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, considerou que a "visão de Theresa May (chefe do governo britânico) do Reino Unido do 'Brexit' é repugnante".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.