Governo brasileiro corta mais de 5600 bolsas de mestrado e doutoramento

Este é o terceiro anúncio de cortes de bolsas universitárias em 2019. Medida representa uma poupança de 8,2 milhões de euros.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior do Brasil (CAPES) anunciou na segunda-feira o corte de 5.613 bolsas de mestrado e doutoramento, acrescentando que não serão aceites novos investigadores este ano.

Trata-se do terceiro anúncio de corte de bolsas universitárias em 2019, decretado pelo Governo do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. Nos oito meses de 2019, o executivo extinguiu 11.811 bolsas de pesquisa financiadas pela CAPES - fundação vinculada ao Ministério da Educação do Brasil -, o equivalente a 12% das 92.253 bolsas de mestrado e doutoramento disponibilizadas no início do ano.

Segundo a CAPES, a medida representa uma poupança de 37,8 milhões de reais (8,2 milhões de euros) em 2019 para os cofres do Estado, podendo chegar a 544 milhões de reais (119 milhões de euros) nos próximos quatro anos. "Queremos preservar o pagamento de todos os bolseiros que já recebem o benefício", afirmou o presidente da Coordenação, Anderson Correia, citado no 'site' da CAPES.

Anderson Correia frisou ainda que o Ministério da Educação e a CAPES procuram alternativas para recompor o orçamento do próximo ano. "Todas as possibilidades estão a ser estudadas para garantir o pleno funcionamento dos serviços prestados", argumentou Correia, acrescentando que uma das iniciativas será procurar financiamento através de parcerias com empresas. Contudo, segundo o Governo, não haverá interrupção do pagamento de bolsas nas pesquisas já iniciadas.

A presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos, Flávia Calé, disse que o cenário é de colapso na pós-graduação. "O que estão a propor é a morte da pesquisa no Brasil. Cortar metade do orçamento é inviabilizar o trabalho da pós-graduação", disse Flávia Calé, citada pelo jornal Folha de S. Paulo. "Estes cortes vêm num contexto de sucateamento de universidades, dos nossos instrumentos de soberania, de desenvolvimento de tecnologia e pensamento próprios. Não tem como o Brasil sair da crise se não tem tecnologia", criticou.

Em abril, o Ministério da Educação brasileiro anunciou a cativação de 30% das verbas atribuídas às instituições de ensino federais, mas depois explicou que o congelamento seria de 24,84% nas chamadas despesas discricionárias, usadas para garantir o pagamento de despesas de manutenção como as contas de água e luz.

O ministério adiantou que as verbas em causa correspondem a 5,8 mil milhões de reais (1,3 mil milhões de euros) do orçamento daquelas instituições. Em maio, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior revelou a primeira suspensão da concessão de cerca de 3.500 bolsas de mestrado e doutoramento.

No início de junho, o Governo brasileiro voltou a anunciar novos cortes em mais de 2.700 bolsas de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento, intensificando assim os bloqueios na área da Educação.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.