Google à escuta: "Desculpa amor, não posso falar mais. O meu namorado chegou a casa"

Revisores de áudio que trabalhavam para empresa contratada pela Google ouviram milhares de horas de conversas em vários idiomas, até em português e em espanhol, supostamente para melhorar o serviço do assistente de voz da empresa.

"Alô, estou cinco minutos atrasada. Espera por mim. Já estou a caminho"; "Qual é o melhor site pornográfico?"; "Já sabes as últimas notícias sobre o caso Neymar?"; "Desculpa amor, não posso falar mais. O meu namorado já chegou a casa".

Será que alguém se reconhece nestes diálogos? Todos foram captados de telemóveis, de mensagens de voz ou de quem usou o assistente do Google. Pois é, nada está protegido. Segundo explicaram técnicos de transcrição ou de revisão de áudios ao jornal espanhol El País, "tudo o que seja áudio e fique gravado está ao alcance de qualquer empresa de tecnologia que faça a revisão dessas gravações".

Hoje, alertam, um telefone já não é apenas um telefone que se pode usar para falar com os outros. É muito mais do que isso. E quem usa o Google Assistente pode ter sido gravado. A notícia estoirou há poucas semanas e a empresa já veio assumir oficialmente que estas gravações estavam a ser trabalhadas por revisores de áudio, supostamente para que o Google pudesse melhorar os seus serviços.

Isto mesmo assumiu a Google numa nota oficial, na qual referia que a revisão das gravações realizadas através do Google Assistente é feita para "melhorar o funcionamento do seu assistente virtual. Ou seja, para que o software seja capaz de entender melhor o que os utilizadores estão a dizer".

Os revisores de áudio afirmam que os projetos que lhes eram dados iam mudando, pois tanto lhes passavam gravações para serem revistas obtidas através do Google Home como do Google Maps. Mas o pior mesmo, segundo estes técnicos, era a revisão dos áudios em mensagens, mais longos. "Nestas mensagens encontra-se tudo", referiram ao jornal.

Quando a polémica rebentou, os revisores de áudio garantiram que 0,2% das gravações registadas pela Google em todo o mundo eram auditadas. A multinacional admitiu que tinha especialistas em idiomas a trabalhar para si para fazerem a revisão das mensagens.

Até agora, não se sabe quantos técnicos poderia ter a Google a trabalhar nesta área, quantos projetos foram realizados ou quantas gravações foram auditadas por dia, semanalmente ou mensalmente.

Técnicos revelam que transcreviam 0,2% das conversas de todo o mundo

Os técnicos que falaram ao El País revelaram que cada um tinha a seu cargo a transcrição de cerca de seis mil áudios por semana. E que além de os transcreverem, tinham de os categorizar e classificar. Ou seja, identificar se eram de crianças, de adultos, de homens ou de mulheres e se eram ofensivos ou não. "Eram consideradas gravações ofensivas se contivessem insultos ou conteúdos sexuais", explicaram.

"Havia muitas pesquisas sobre sexo. Algumas pessoas procuravam vídeos de sexo de crianças, o que se tornou muito desagradável", admitiram. Ou seja, todos estes utilizadores recorriam ao Google e solicitavam não por texto mas por áudio a busca que pretendiam fazer. Tudo ficava gravado.

Mas a polémica com a Google desvendou um outro problema, refere o El País: os contratos precários a que estavam submetidos os técnicos de áudio que trabalhavam para a empresa que prestava serviços à Google. Uma situação que levou a que muitos deles tivessem sido dispensados de imediato.

"Muitos trabalhavam como freelancers e nem sequer recebiam o salário mínimo exigido para um técnico qualificado e com formação superior", relataram ao El País. "Ganhavam 600 euros em média, quando por cada hora que trabalhavam tinham de rever 200 áudios."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.