Gémeos de um ano morrem esquecidos no carro em Nova Iorque

Só neste ano já morreram outras 21 crianças em circunstâncias semelhantes nos Estados Unidos

Dois bebés de onze meses, gémeos, morreram após terem sido esquecidos no carro durante oito horas, no Bronx, Estados Unidos.

Segundo a polícia nova-iorquina, os bebés foram encontrados inconscientes no banco de trás do carro, na sexta-feira à tarde, e declarados mortos no local. As temperaturas rondavam os 30 graus.

O pai, de 39 anos, terá deixado os bebés no carro por esquecimento, depois de sair para trabalhar no hospital Fordham Manor VA, onde é assistente social. Só se terá apercebido que as crianças estavam no banco de trás quando saiu do trabalho, e já no caminho para casa, por volta das 16.30, altura em que pediu ajuda, segundo a NBC. O homem foi detido para ser interrogado.

Só neste ano já morreram outras 21 crianças em circunstâncias semelhantes nos Estados Unidos, segundo dados do Departamento de Meteorologia e Clima da Universidade de San José, que monitoriza este tipo de acidentes. No ano passado foram 52.

De acordo com um estudo desde departamento, em mais de metade dos 795 casos registados nos últimos 20 anos, as crianças foram esquecidas nos carros pelos cuidadores, pais, avós ou outros. Este tipo de acidente é muito mais comum com bebés até dois anos.

A Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI) lembra que "deixar uma criança sozinha no carro é extremamente perigoso". No verão, as temperaturas no interior do carro sobem rapidamente quando o carro está ao sol e podem provocar desidratação, doença grave ou mesmo a morte, sobretudo em bebés.

Para evitar esquecimentos, a APSI aconselha que se deixe a mala ou carteira com a criança, no banco de trás, ou que se mantenha um objeto do bebé à frente, um brinquedo ou as fraldas, por exemplo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.