Gasto de energia com bitcoins prestes a ultrapassar o consumo de todas as casas

País tem tido um grande crescimento na área. Quase a totalidade da energia gasta na Islândia é renovável

A Islândia tem cerca de 340 mil habitantes e a energia consumida pelo país vem praticamente toda de energias renováveis. Agora, com um grande crescimento na "mineração" de bitcoins no país, a energia utilizada pelo processo está prestes a ultrapassar aquela que é produzida por todas as casas islandesas, de acordo com a empresa energética HS Orka.

De acordo com Johann Snorri Sigurbergsson, que falou à BBC, "se todos os projetos se concretizarem, não haverá energia para tal", visto que existem cada vez mais candidatos e interessados no ato de gerar e funcionar no mundo das bitcoins e das criptomoedas.

"O que vemos agora é praticamente um crescimento exponencial, penso, e também na energia consumida pelos centros de dados. Não vejo as coisas a pararem brevemente. Tenho recebido muitas chamadas e visitas de potenciais investidores ou empresas que querem construir centros de dados na Islândia", acrescentou.

Explicou ainda que a sua empresa tem mais interesse em firmar contratos com quem esteja interessado em comprometer-se por alguns anos, mas frisou ainda que existem tantos centros de dados propostos que não seria possível alimentar energeticamente todos eles.

As criptomoedas são mineradas através de programas específicos de computador que utilizam toda a capacidade dos processadores para realizar complicadas operações matemáticas. Este processo é altamente dispendioso a nível de consumo de energia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.