Depois da tempestade, calor e falta de energia causam vítimas

Após a passagem do furacão pela Florida, sudeste dos Estados Unidos, é o calor intenso, agravado pela falta de energia elétrica, que está a fazer vítimas

A passagem do furacão Irma pela Florida, sudeste dos Estados Unidos, foi menos devastadora do que o previsto mas, depois da tempestade, é o calor intenso, agravado pela falta de energia elétrica, que está a fazer vítimas.

Segundo a agência de federal de gestão de emergências (FEMA), cerca de 9,5 milhões de pessoas continuavam esta quarta-feira de manhã sem eletricidade na Florida. As autoridades estimam que pode levar até 10 dias para que o fornecimento seja completamente restabelecido.

As temperaturas nas principais cidades da Florida são hoje de cerca de 30º celsius e a humidade entre os 40% e os 60%, segundo o serviço de meteorologia nacional.

As autoridades locais anunciaram hoje a morte de cinco residentes de um lar de idosos de Hollywood, cidade do sul da Florida com 140.000 habitantes, sem precisar as causas de morte.

O lar, que ficou sem energia durante a tempestade, começou entretanto a ser evacuado, precisaram.

Outras cinco pessoas morreram e mais de 10 tiveram de receber assistência, em Orlando, Miami e Daytona Beach, por inalação de monóxido de carbono emitido por geradores.

Na região de Miami, em Coral Gables, um edifício de apartamentos foi evacuado depois de as autoridades terem considerado que a falta de energia elétrica o tornava inseguro para os residentes idosos e, em Pembroke Pines, um condomínio para idosos teve de recorrer aos serviços de socorro para ajudar os residentes dos pisos mais elevados a sair de casa, na falta de elevadores em funcionamento.

Segundo a Associated Press, as 13 mortes atribuídas ao Irma na Florida deveram-se aliás, na maioria, a acidentes sofridos já na fase de limpeza de casas e ruas, após a passagem da tempestade. Num dos casos, um homem que tentavam cortar com uma serra elétrica os ramos de uma árvore caída na estrada, perdeu o controlo da máquina que saltou e o atingiu na carótida, provocando-lhe a morte.

Segundo a contagem da agência Associated Press, o Irma fez 37 mortos nas Caraíbas, 13 na Florida, quatro na Carolina do Sul e dois na Geórgia, o que perfaz um total provisório de 56 mortos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.