Funcionário do Pentágono sugere que jihadistas devem ser aniquilados

As mensagens em ambas as redes sociais são ilustradas com uma foto de um soldado que transporta uma pá articulada usada pelos soldados dos EUA para cavar trincheiras para se protegerem do fogo inimigo

Um funcionário do Pentágono sugeriu na quarta-feira que os jihadistas do Estado Islâmico deveriam ser aniquilados, caso não se rendessem às forças da coligação, o que causou uma forte discussão nas redes sociais.

"Os combatentes do ISIS (grupo radical Estado Islâmico) devem perceber que têm duas opções quando nos enfrentam: ou se rendem ou morrem!", refere o Twitter de John Troxell, que representa o corpo de oficiais não comissionados no Estado-Maior dos Estados Unidos da América, noticia a agência de notícias francesa AFP.

"Se eles se renderem, asseguraremos a sua transferência segura para a sua célula, providenciaremos uma cama de campo e respeitaremos os procedimentos", acrescenta no Twitter, mensagem que também foi publicada na rede social Facebook, mas numa versão mais longa e detalhada.

No entanto, o assessor do chefe de gabinete, Joe Dunford, aconselhou: "se eles optarem por não se render, nós vamos matá-los com grande violência, seja com a ajuda das forças de segurança, lançando bombas, disparando na cabeça ou matando-os com as nossas ferramentas de trincheira".

As mensagens em ambas as redes sociais são ilustradas com uma foto de um soldado que transporta uma pá articulada usada pelos soldados dos EUA para cavar trincheiras para se protegerem do fogo inimigo.

As reações não demoraram muito: o tweet de Troxell foi partilhado nessa noite mais de 1.500 vezes no Facebook.

Enquanto alguns internautas estavam indignados, os militares respondiam gentilmente aos comentários no Facebook publicando um gráfico que explica como usar uma pá para fins letais. "Quase todos os soldados os usam", acrescentavam. "É uma arma versátil e formidável".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG