Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico no país

Combatentes apoiados pelos EUA declararam a derrota do autoproclamado Estado Islâmico no enclave de Baghouz, onde o grupo extremista estava cercado há várias semanas.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas pela coligação internacional liderada pelos EUA, anunciaram este sábado o fim do "califado" do Estado Islâmico, após a derrota naquele que era considerado o último reduto `jihadista`, no Bagouz, na Síria.

"As Forças Democráticas da Síria declaram a total eliminação do autoproclamado califado e a derrota territorial de 100% do Isis [o grupo IS]", escreveu no Twitter Mustafa Bali, porta-voz das FDS. Neste dia único, lembrou, são homenageados "milhares de mártires cujos esforços tornaram possível a vitória".

No auge, o autoproclamado Estado Islâmico chegou a controlar uma área equivalente à Grã-Bretanha, ou seja, 209 mil quilómetros quadrados, no Iraque e na Síria, abrangendo cerca de dez milhões de pessoas - o equivalente a toda a população de Portugal. Nos últimos meses, os militantes do grupo extremista estavam agarrados a uma área com menos de 700 metros quadrados, onde foram resistindo aos sucessivos ataques das FDS.

Agora, e apesar de perder os territórios, o El continua a ser visto como uma ameaça a nível global. De acordo com os EUA, ainda existem entre 15.000 e 20.000 seguidores armados ativos, muitos deles em células adormecidas na Síria e no Iraque.

Segundo o Guardian, pelo menos 6 mil curdos e 2 mil combatentes árabes das FDS morreram nos últimos quatro anos na campanha militar contra o autoproclamado Estado Islâmico na Síria, além dos militares que morreram na fronteira com o Iraque, sendo que é expectável que o número de civis mortos nos dois países seja bastante superior às estatísticas oficiais.

De acordo com a mesma fonte, o anúncio da vitória em Bagouz - que já estava a ser preparado há semanas - foi enfraquecido pelos relatos de disparos e bombardeamentos na zona leste da cidade. Na sexta-feira, conta o Guardian, Kino Gabriel, um outro porta-voz das FDS, anunciou que as forças de limpeza para expulsar os `jihadistas` escondidos nas cavernas ainda estavam a decorrer.

Fazendo milhares de mortos, não só no Iraque e na Síria, mas também em países como França, Alemanha e Espanha, por exemplo, o grupo terrorista islâmico de inspiração sunita espalhou medo, terror, ódio e derramou sangue de inocentes ao longo dos últimos anos.

Sucessor da Al-Qaeda do Iraque, aproveitou a brecha dos protestos da Primavera Árabe contra Bashar al-Assad para se expandir para a Síria, obrigando a bombardeamentos de uma coligação internacional liderada pelos EUA e a uma perseguição às suas fontes de financiamento, como o petróleo, por exemplo, mas também aos seus apoiantes. Várias vezes se referiu a Arábia Saudita. E países do Golfo.

Na Síria, os habitantes sempre os encararam como mercenários, que vêm e vão, enquanto há dinheiro. Depois desaparecem. Milhares de europeus juntaram-se aos terroristas do Estado Islâmico. Uns morreram. Outros voltaram a casa. Outros querem voltar e não os deixam.

No auge do Estado Islâmico, o grupo terrorista chegou a contar com 40 mil combatentes oriundos de países estrangeiros, entre os quais Rússia, Arábia Saudita, Tunísia, França, Marrocos, Alemanha, Jordânia, Reino Unido, Usbequistão, Turquia, Reino Unido e, até mesmo, Portugal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.