"As forças armadas são a instituição que o Brasil reconhece como a mais confiável"

Entrevista ao contra-almirante Ruy de Almeida Silva, pró-reitor na Escola Superior de Guerra do Brasil. Esteve em Portugal como conferencista no IDN (Instituto de Defesa Nacional), no seminário "Pontes sobre o Atlântico: Brasil, Portugal e os desafios da segurança atlântica".

O Brasil é visto muitas vezes como um país de soft power mas na verdade um gigante com 200 milhões de habitantes e com os recursos do Brasil é também uma grande potência militar.
O Brasil não chega a ser uma grande potência militar quando comparado com outros grandes países, mas é um país emergente que tem forças armadas de forma compatível com a realidade brasileira.

No contexto da América Latina é a potência militar mais forte?
Pelo tamanho do Brasil, pela economia que tem, é um dos maiores. Não diria que é a mais forte mas estará entre as maiores da América Latina.

Isso dá responsabilidades especiais ao Brasil? Há, por exemplo, muita pressão para alguns países assumirem responsabilidades na questão da Venezuela. Fala-se muito de uma intervenção militar dos Estados Unidos mas também de um reforço latino-americano. O Brasil, vizinho da Venezuela, nesse caso seria sempre um ator determinante?
A questão da Venezuela é importante mas o Brasil já declarou que não vai de forma alguma fazer uma intervenção ou participar de uma intervenção militar contra a Venezuela.

Se fosse no âmbito da ONU já seria possível, porque isso entraria na tradição do Brasil de fornecer contingente de capacetes azuis?
Isso é difícil de dizer agora porque seria uma coisa a ser considerada pelo Brasil. O Brasil tem tradição em operações de paz mas não quer dizer que no caso da Venezuela já haveria uma decisão de participar. E recordo que não estou a falar pelo governo brasileiro, falo por mim.

De qualquer forma um grande capital de prestígio dos militares brasileiros tem mesmo a ver com este sucesso nas operações de paz, nomeadamente do Haiti, mas lembro-me que também teve algum protagonismo em termos de comando na República Democrática do Congo. Os capacetes azuis são uma forma de afirmação do prestígio das forças armadas brasileiras?
É claro. Uma das coisas principais em termos de paz é ajudar na segurança internacional. Mas o Brasil sempre analisa, seja na ONU seja de qualquer outra participação em forças de paz, sempre analisa politicamente e isso é que é o mais importante. A questão do prestígio vem após a decisão política. Não é o caso de que o prestígio leva à decisão política, é ao contrário.

Quando um militar brasileiro aprende a história das suas forças armadas, quais são os grandes momentos dessa história: é a guerra contra o Paraguai? É a intervenção na Segunda Guerra Mundial?
Temos logicamente, como todos os países, orgulho na história militar do país e a participação em várias guerras, inclusive a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, aliás somos o único país da América do Sul que participou na guerra contra o nazismo.

Combateu até na Europa, certo?
Combateu mandando tropas para a Itália, aliada da Alemanha, e isso foi lutar pela democracia. Mas acho que o mais importante para os militares é quando se consegue manter a paz. E o Brasil tem conseguido manter a paz nas suas fronteiras há mais de cem anos. O que nos dá mais prazer é não ter de atuar na guerra - mas se necessário for, vencê-la. Mas manter a paz é a melhor coisa para as forças armadas.

Com a dimensão que o Brasil tem, sem inimigos tradicionais a rodeá-lo, há outro desafios como defender a Amazónia, defender o espaço marítimo. O Brasil tem meios para garantir isso?
Tem, modestos mas tem. Mas as ameaças não são tão grandes assim. Tem os meios necessários, é claro, as forças armadas têm de ver a questão do Estado nos outros âmbitos necessários de recursos. Temos hoje as forças armadas que são possíveis para os recursos e da situação específica do Brasil, seja no âmbito económico, da saúde, segurança, etc. É o que temos mas estamos sempre a tentar aumentar recursos na medida do possível para aumentar a segurança da população brasileira.

Fala-se hoje de haver uma presença grande de militares no novo governo. As forças armadas brasileiras sempre deram políticos, não é, pois, uma exceção hoje com o presidente Jair Bolsonaro, um ex-capitão que tem um ex-general como vice?
Os militares dão políticos no Brasil como em qualquer lugar do mundo porque o militar também é um cidadão. Quando ele vai para a reserva é legítimo fazê-lo. Temos presidentes norte-americanos que foram militares, presidentes brasileiros que foram militares, é natural que às vezes aconteça. Os militares são cidadãos. Estarem agora militares da reserva no governo é uma opção do governo atual, mas isso não quer dizer que as forças armadas brasileiras estão no governo. Não estão no governo, é preciso deixar isso bem claro. Provavelmente são considerados pelo presidente pela sua história militar como pessoas politicamente capazes de ajudar o governo. Mas não é um governo das forças armadas, é um governo de militares na reserva que participam como cidadãos num governo civil.

Isso significa também que as forças armadas brasileiras passadas três décadas anos do fim da ditadura militar conseguiram mudar a sua imagem perante o povo brasileiro? Não já vistos como herdeiros dos sistema repressivo mas como um recurso que o país pode ir buscar para evitar desafios na segurança e no desenvolvimento?
As forças armadas, dizem as pesquisas, são a instituição que a sociedade brasileira reconhece como mais importante e confiável e isso ajudou a trazer os militares da reserva para ajudar nesse processo de um governo civil.

Da sua experiência como militar, e disse já que os recursos são escassos na educação e na saúde, não há uma preocupação que haja um défice de recursos para as forças armadas? O Brasil tem uma tal sensação de segurança que não necessita de ser uma grande potência militar?
Não diria isso, diria que o Brasil tem uma presença maior no cenário internacional e para isso é preciso ser também uma potência militar. Quero dizer apenas que no momento atual é o que podemos ter. Estamos à procura de programas de submarinos nuclear, o programa das aeronaves que estamos a fazer para a Suécia, tudo isso são investimentos para o futuro. Hoje temos as forças armadas que são possíveis de acordo com as condições económicas e social do país. Queremos mais mas temos a compreensão que não é possível entregar mais recursos para as forças armadas porque isso significaria deixar de lado outros setores que são importantes para a população. Como não temos grandes ameaças temos uma janela de tempo para nos prepararmos para chegarmos a um ponto de sermos no futuro uma potência militar, que seria importante para o Brasil no cenário internacional.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.