Finalistas do ensino superior em Macau voltam às aulas a 1 de abril

As aulas do ensino não superior vão recomeçar gradualmente a partir do dia 13 de abril, de uma forma faseada, até 4 de maio. Território é apontado como um caso de exemplo na resposta ao coronavírus, estando sem casos há 39 dias.

O Governo de Macau anunciou este sábado que as aulas do ensino superior para os estudantes finalistas, encerradas há várias semanas devido ao surto da Covid-19, vão começar no dia 1 de abril.

"A primeira fase é para os finalistas locais", disse o subdiretor dos Serviços de Ensino Superior, Chang Kun Hong, em conferência de imprensa.

Para os cursos ou avaliações que precisam de ter contacto pessoal, por exemplo defesa de tese também iniciam a 1 de abril.

"Para os outros estudantes precisamos de avaliar", afirmou, acrescentando que as autoridades vão informar os estudantes com 14 dias de antecedência.

Esta declaração acontece um dia depois de as autoridades anunciarem que as aulas do ensino não superior vão recomeçar gradualmente a partir do dia 13 de abril, de uma forma faseada, até ao dia 4 de maio.

Quanto aos estudantes de Macau que estão a estudar em países estrangeiros, mais de três mil, as autoridades afirmaram que muitos "mostraram vontade de regressar a Macau", visto que os estabelecimentos ensino estão encerrados em vários países.

Todos os estudantes que vieram do exterior têm de fazer quarentena de 14 dias em casa, explicaram as autoridades, acrescentando que vão distribuir frascos para retirar amostras à saliva e verificar as condições de condições da casa.

Se as casas não reunirem condições os estudantes serão reencaminhados para um hotel, que será gratuito, explicaram.

Macau registou dez doentes, tendo todos já recebido alta hospitalar.

Dos 2225 casos suspeitos em Macau, 2119 foram excluídos pelas autoridades, com 16 à espera de resultados de análises, não existindo neste momento pessoas em isolamento.

Nas últimas 24 horas, foram efetuados 202 testes, sublinharam as autoridades de saúde, no dia em que se cumpre o 39.º dia sem novos casos no território.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5400 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 143 mil pessoas, com casos registados em mais de 135 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

A Organização Mundial de Saúde declarou que o epicentro da pandemia provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) se deslocou da China para Europa, onde se situa o segundo caso mais grave, o da Itália, que anunciou 250 novas mortes na sexta-feira, um recorde em 24 horas, e que regista 1266 vítimas fatais.

Na sexta-feira, o número de infetados em Itália, onde foi decretada quarentena em todas as regiões, era na de 17.660, cerca de 2.500 mais do que na quinta-feira e praticamente metade dos mais de 36 mil casos confirmados na Europa, que regista perto de 1.500 mortos.

Até à meia-noite de sexta-feira (16:00 em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu para 3.189, após terem sido contabilizadas mais 13 vítimas fatais.

No total, o país soma 80.824 infetados, registando apenas 11 novos casos, e a Comissão Nacional de Saúde informou que, até à data, 65.511 pessoas receberam alta após terem superado a doença.

Além de China e Itália, os países mais afetados são Irão, com 611 mortos, Espanha, com 121, e França, com 79.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG