Filho de casal assassinado incapaz de ajudar a polícia

Polícia angolana ainda sem informação sobre investigação do homicídio de casal português

As autoridades policiais angolanas asseguraram hoje que estão empenhadas em resolver o caso do homicídio do casal português em Luanda, ocorrido esta semana, mas assumem que falta informação à investigação do caso.

Fonte da polícia angolana confirmou hoje à Lusa que foram vítimas Fernando dos Santos da Silva, de 59 anos, comerciante, de nacionalidade portuguesa e Alzira da Conceição Mil-Homens da Silva, de 62 anos, luso-angolana, ambos residentes em Angola há vários anos.

O caso, segundo a fonte, está sob investigação, mas ainda "não há dados palpáveis".

"Não há ninguém que apareça e diga que viu alguma coisa, o filho estava no carro, mas dada a situação era difícil fixar alguma coisa para se ter, pelo menos, um retrato falado", disse a fonte, acrescentando reiterando que a polícia está "bastante empenhada no caso".

Questionado sobre o que poderá traduzir estes dois casos de assassínio seguidos, envolvendo esta semana cidadãos portugueses em Luanda, a fonte disse que é apenas coincidência, enquadram-se somente na onda de crimes registados no país.

"O que aconselhamos as pessoas é para terem cuidado, não só os cidadãos estrangeiros que vivem cá em Angola, mas os próprios cidadãos angolanos", referiu, salientando que a polícia tem feito o seu trabalho habitual, "muito árduo, com patrulhamentos e rondas de baixa e curta visibilidade, mas não é o suficiente".

O crime ocorreu na terça-feira, na via expressa Luanda/Viana, quando um grupo de cidadãos não identificados, encapuçados, disparou contra o casal, que vinha acompanhado de um filho, que saiu ileso.

O homem morreu no local, a mulher foi socorrida para uma unidade hospitalar, mas acabou por falecer também.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG