FARC só estarão "em espírito" na entrega do Nobel a Santos

Presidente colombiano recebe hoje o prémio numa cerimónia em Oslo onde não está a guerrilha mas estão sete das suas vítimas, incluindo as ex-reféns Ingrid Betancourt e Clara Rojas

Nenhum membro da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) estará hoje na cerimónia de entrega do Nobel da Paz ao presidente colombiano, José Manuel Santos. Mas isso não significa que o outro interlocutor dos diálogos de Havana, destinados a pôr fim ao conflito que dura há mais de meio século e fez pelo menos 220 mil mortos, não esteja presente em Oslo. "Estarão aqui em coração e espírito", afirmou Santos. Entre os convidados estão contudo sete vítimas da guerrilha, entre as quais as ex-reféns Ingrid Betancourt e Clara Rojas. Afinal, o presidente sempre disse que recebia a distinção "em nome de todos os colombianos, mas sobretudo das vítimas" - para quem reverterá o valor do prémio.

"O facto de as FARC não estarem aqui é porque não queria criar problemas com o governo da Noruega, porque esta guerrilha está imersa no procedimento legal que é preciso realizar na Colômbia para que eles tenham a liberdade de viajar pelo mundo. Por isso, pensamos que não era apropriado trazê-los a esta cerimónia", indicou Santos numa conferência de imprensa já em Oslo, agradecendo os esforços de mediação da Noruega nas negociações na capital cubana. O presidente explicou que a guerrilha estará representada pelo advogado espanhol Enrique Santiago, que foi o assessor jurídico das FARC durante o diálogo.

O anúncio de que Santos tinha ganho o Nobel foi feito a 7 de outubro, menos de uma semana depois de os colombianos terem recusado em referendo o acordo alcançado entre o governo e as FARC. Desde então, ambas as partes voltaram à mesa de negociações, tendo o novo acordo de paz sido ratificado pelo Congresso da Colômbia em finais de novembro (desta vez já não irá a referendo, que nunca foi obrigatório). Na próxima segunda-feira, o Tribunal Constitucional deverá pronunciar-se sobre a sua legalidade.

"Espero que o Tribunal Constitucional dê a sua bênção ao acordo de forma rápida", disse Santos na conferência de imprensa. "Precisamos encurtar o tempo que vai desde a assinatura do acordo até ao momento em que é implementado", acrescentou. Segundo o presidente, o anúncio do prémio "foi uma prenda dos céus", tendo dado "um enorme empurrão" para alcançar um novo acordo com as FARC.

Convidados

Santos convidou 30 pessoas para a cerimónia na Câmara de Oslo, entre elas familiares, funcionários do governo que participaram nas negociações e sete vítimas das FARC. A mais conhecida é a franco-colombiana Ingrid Betancourt, que estava em campanha para as presidenciais quando foi sequestrada, a 23 de fevereiro de 2002. Junto com ela estava a assessora, Clara Rojas, tendo ambas ficado nas mãos da guerrilha durante seis anos. Clara, que foi mãe em cativeiro, foi libertada em janeiro de 2008, num gesto de boa fé das FARC para com o então presidente venezuelano, Hugo Chávez. Já Ingrid seria libertada seis meses depois, com outros 14 reféns, numa megaoperação do exército.

"Perder esta oportunidade de reconciliação seria um crime geracional", disse Betancourt ao apoiar o processo de paz. Já depois do anúncio de que Santos iria receber o Nobel, a ex-refém reconheceu que as FARC também mereciam. Na altura, o líder da guerrilha, Rodrigo Londoño, também conhecido por Timochenko, desvalorizou o facto de terem ficado de fora: "O único prémio que procuramos é a paz com justiça social para a Colômbia sem paramilitarismo, sem retaliação ou mentiras", escreveu no Twitter.

Em Oslo estará também o escritor e jornalista Héctor Abad, autor do livro Somos o Esquecimento que Seremos (Quetzal, 2010) escrito em memória do pai, Héctor Abad, um médico e defensor dos direitos humanos que foi assassinado por paramilitares em 1987; Fabíola Perdomo, viúva de Juan Carlos Narváez, um dos 11 deputados de Antioquia mortos pela guerrilha; e Leyner Palacios, sobrevivente do massacre de Bojayá, no qual morreram 120 pessoas a 2 de maio de 2002. Santos anunciou que o valor do prémio Nobel, oito milhões de coroas suecas (cerca de 800 mil euros), será entregue a "a obras, fundações ou programas que tenham a ver com as vítimas e com a reconciliação".

Antes da cerimónia oficial, na qual discursará durante 20 minutos, Santos será recebido pelos reis noruegueses, Harald V e Sonia. O presidente entregará então aos monarcas uma escultura da artista colombiana Ana González Rojas. "É o símbolo de paz, feito com flora e fauna colombiana, de porcelana branca", explicou a primeira-dama, María Clemencia. Obras de arte iguais serão entregues ao rei sueco Carlos XVI Gustavo, com quem Santos se reúne na segunda-feira em Estocolmo, e ao Papa Francisco, que visita na sexta-feira no Vaticano. O périplo europeu passa também por Madrid (terça-feira), onde se reúne com o primeiro-ministro Mariano Rajoy, e por Itália (quinta-feira), onde tem marcado encontro com o homólogo Sergio Mattarella.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.