Familiares de vítima de voo da Malaysia Airlines pedem indemnização

Choque repentino e prejuízos mentais justificam ida a tribunal.

Familiares de um passageiro neozelandês do voo MH370 da Malaysia Airlines fizeram queixa da companhia aérea pelo "choque repentino" e o "prejuízo mental" que sofreram depois do desaparecimento do aparelho, há dois anos, foi hoje anunciado.

A imprensa australiana precisa que Paul Weeks, que vivia em Perth, oeste da Austrália, fazia parte das 239 pessoas a bordo do aparelho cujo desaparecimento, a 08 de março de 2014, continua a ser um mistério.

A mulher, a mãe, o irmão e a irmã de Paul Weeks apresentaram queixas separadas no Supremo Tribunal do oeste da Austrália, segundo o Sunday Times de Perth, e pedem compensações pelo "choque repentino" e "prejuízos mentais" que sofreram na sequência do desaparecimento do familiar.

Um recurso separado também foi apresentado em nome dos dois filhos da vítima, segundo o Sunday Times, que não precisou os montantes reclamados.

Numerosos parentes e pessoas próximas das vítimas entregaram recursos contra a Malaysia Airlines nos Estados Unidos, na Malásia, na China, na Austrália e noutros países, pouco tempo antes de expirar o prazo de dois anos para fazer queixa contra a companhia aérea na sequência de um acidente.

Outros aceitaram transferências amigavelmente, segundo advogados. Uma queixa contra a Boeing também foi entregue nos Estados Unidos.

O Boeing da companhia aérea malaia desapareceu pouco depois de descolar de Kuala Lumpur com destino Pequim e ter-se-á despenhado no oceano Índico. Este desaparecimento é um dos maiores mistérios da história da aviação civil.

A Austrália, que dirige as buscas - as mais importantes e as mais caras da história -, deverá concluir daqui até ao mês julho as operações de busca, concentradas nas profundezas do oceano Indico, numa vasta zona de 120.000 quilómetros quadrados.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.