Família cristã não paga impostos, em nome de Deus, e é condenada

Tinham uma dívida acumulada de 930 mil dólares australianos (566 mil euros) em imposto de renda e outros encargos em 2017 e foram condenados a pagar 1,2 milhões de euros.

Uma família cristã que se recusou a pagar imposto de renda porque o pagamento iria "contra a vontade de Deus" terá de desembolsar mais de 2 milhões de dólares australianos (cerca de 1,2 milhões de euros) em dívidas ao fisco na Austrália. Rembertus Cornelis Beerepoot e Fanny Alida Beerepoot, da Tasmânia, não pagavam imposto de renda desde 2011.

Os dois tinham uma dívida acumulada de 930 mil dólares (566 mil euros) australianos em imposto de renda e outros encargos em 2017, o que segundo a ABC News, levou a que a fazenda da família fosse confiscada e vendida pelo município onde vivem.

Agora em tribunal, os dois irmãos, que se defenderam a si próprios, basearam toda a sua defesa na religião durante audiência na Suprema Corte da Tasmânia. Rembertus argumentou que a lei de Deus é a "lei suprema desta terra" e que fazer as pessoas pagarem impostos leva a maldições como a seca e a infertilidade. "Transferir a nossa lealdade de Deus para a Commonwealth (a Comunidade Britânica, que reúne antigas colónias britânicas, inclusive a Austrália) significaria rebelar-se contra Deus e, portanto, quebrar o primeiro mandamento", disse ele, de acordo com a emissora.

O juiz, Stephen Holt, disse que, embora acredite que as crenças dos Beerepoots sejam genuínas, não há qualquer referência específica na Bíblia para sustentar o que eles argumentam. Por isso condenou a Fanny a pagar 1,17 milhões de dólares australianos (cerca de 628 mil euros) e Rembertus, 1,16 milhão (cerca de 627 mil euros) para cobrir "imposto de renda, multas administrativas e encargos gerais de juros", entre outros custos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG