"Fake news". Embaixador dos EUA na Holanda desmente-se duas vezes em minutos

O vídeo que se tornou viral mostra a conversa

O novo embaixador dos Estados Unidos na Holanda, nomeado por Donald Trump, passou por um momento embaraçoso na televisão holandesa, ao ser apanhado a mentir duas vezes em poucos minutos. O vídeo tornou-se viral e o embaixador Pete Hoekstra já pediu desculpa.

Questionado por um jornalista sobre declarações antigas, Hoekstra negou ter dito que existem áreas na Holanda onde não se pode ir e carros em fogo nas ruas, dizendo mesmo que isso são "fake news" (notícias falsas), a frase que se tornou um chavão da administração Trump. Só que, em seguida, o republicano foi confrontado com um vídeo com as suas próprias palavras e obrigado a recuar. O embaixador optou então por dizer que não tinha falado em notícias falsas momentos antes.

Um vídeo que se tornou viral mostra a conversa. Pete Hoekstra estava a ser entrevistado para um programa holandês, Nieuwsuur, pelo jornalista Wouter Zwart, que referiu declarações que tinham sido num debate. "Eu não disse isso, é uma afirmação incorreta, chamar-lhe-íamos fake news. Não foi o que disse", responde o antigo congressista.

Mas um vídeo de 2015 mostra o político a dizer isso mesmo: "O movimento islâmico chegou agora a um ponto em que espalhou o caos na Europa. Caos na Holanda, há carros a ser queimados, há políticos a serem queimados e sim há áreas em que não é possível ir."

Momentos depois, na mesma entrevista, Hoekstra diz que não tinha acabado de dizer que era fake news: "Não usei essas palavras hoje. Acho que não usei."

A entrevista tornou-se viral e deu origem a títulos como este do Dutch Review: "O novo embaixador de Trump na Holanda, Pete Hoekstra, mente sobre as suas próprias mentiras".

No Twitter, o político, que nasceu na Holanda mas cresceu em Holland no estado do Michigan, já lamentou e pediu desculpa pela forma como a conversa decorreu.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.