Facebook admite que errou e retira carreira de tiro virtual

Responsável pela empresa pediu desculpa às famílias das vítimas do massacre na escola da Florida pela insensibilidade

O Facebook retirou hoje uma carreira de tiro virtual instalada num evento dos conservadores americanos, reconhecendo que errou ao promover um jogo de vídeo violento poucos dias depois do tiroteio da Florida, em que morreram 17 pessoas.

"Removemos a demonstração de vídeo e estamos arrependidos de não ter feito isso desde o início", disse Hugo Barra, vice-presidente do Facebook, responsável pelas atividades de realidade virtual da empresa na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), que está a decorrer desde quinta-feira, nos arredores de Washington.

Barra pediu desculpa pela "insensibilidade" às famílias das vítimas do tiroteio na escola secundária de Parkland, a 70 quilómetros de Miami, no estado norte-americano da Flórida, onde Nikolas Cruz, de 19 anos, matou 17 pessoas no passado dia 14 de fevereiro.

Este foi 18.º incidente com armas de fogo em escolas ou locais próximos de estabelecimentos de ensino nos Estados Unidos, desde o início do ano. O tiroteio abriu um debate sobre a posse de armas na América, com o presidente Donald Trump a manifestar a intenção de dar armas aos professores para prevenir mais incidentes nas escolas, dizendo que a medida abrangeria docentes com "treino especial" e "solucionaria o problema instantaneamente".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG