Explosão faz dezenas de feridos na cidade turca de Van

A explosão ocorreu perto dos escritórios do partido no poder, o AKP, e o Partido dos Trabalhadores do Curdistão está a ser responsabilizado pelo atentado

Dezanove pessoas, incluindo dois polícias, ficaram hoje feridas na explosão de uma viatura armadilhada na cidade turca de Van, anunciou um deputado do partido no poder, segundo a AFP. Já o gabinete do governador da cidade de Van afirmou aos jornalistas que são 48 os feridos, segundo a AP.

O ataque ocorreu no centro de uma cidade movimentada, entre os escritórios do partido no poder e os do governador, acrescentou Besir Atalay, deputado do AKP de Van.

"É uma rua movimentada, o centro da avenida. Temos 19 feridos, incluindo dois polícias, e um dos feridos está em estado crítico", disse Atalay à televisão privada NTV, citado pela AFP.

Não é claro quem está por detrás da explosão, que ocorreu no primeiro dia da festa muçulmana do Eid Al-Adha, ou Festa do Sacrifício.

Atalay responsabilizou o partido ilegal PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão), classificado como grupo terrorista pela Turquia e pelos seus aliados ocidentais

Testemunhas contaram que a força da explosão destruiu janelas nas redondezas e muitas ambulâncias foram enviadas para o local.

A televisão mostrou imagens de um canhão de água a ser usado para apagar um incêndio provocado pela explosão.

Van, uma cidade que reúne população curda e turca nas margens do lago com o mesmo nome, tem sido poupada aos ataques que se registam em cidades como Diyarbakir.

A cidade é um destino turístico popular, particularmente para os iranianos, que atravessam a fronteira para ali fazerem compras e aproveitarem o ambiente descontraído.

O incidente surge depois de, no domingo, o Governo anunciou o afastamento de 28 prefeitos, maioritariamente por alegadas ligações ao partido ilegal PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão), numa medida fortemente criticada pelos partidos pró-curdos.

Ancara tem apertado a sua campanha militar no sudeste do país para erradicar os militantes do PKK, que têm lançado ataques quase diários desde a rutura de um frágil cessar-fogo no ano passado.

Dezenas de milhares de pessoas foram mortas desde que o PKK iniciou a sua luta, em 1984, para criar um Estado independente para a minoria curda da Turquia.

A Turquia também lançou uma operação no interior da Síria contra o grupo Estado Islâmico, assim como para expulsar as milícias curdas sírias da sua fronteira.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG