Ex-presidente da Alemanha Roman Herzog morre aos 82 anos

Morte de Herzog foi anunciada esta terça-feira por Joachim Gauck, o presidente em funções

O ex-presidente alemão Roman Herzog, que promoveu a reforma económica da Alemanha nos anos 1990 e insistiu na importância de lembrar o Holocausto, morreu aos 82 anos.

O atual presidente, Joachim Gauck, anunciou hoje a morte, sem dar pormenores.

Numa mensagem à viúva de Herzog, o presidente descreveu o ex-chefe de Estado como "uma personalidade distinta" que "defendia a prontidão para a reforma e ao mesmo tempo a preservação do que já fora tentado e testado".

Antes de ser eleito presidente, em 1994, quatro anos após a reunificação da Alemanha, Herzog foi juiz presidente do mais alto tribunal do país.

Foi um dos primeiros líderes a abordar a resistência da Alemanha à reforma e a crescente estagnação económica no final dos 16 anos de mandato do chanceler Helmut Kohl.

Nessa altura, a Alemanha tinha taxas de desemprego de dois dígitos e o seu mercado de trabalho era considerado demasiado inflexível.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.