Ex-líder dos Ku Klux Klan contente com vitória de Donald Trump

David Duke disse que Trump poderá ser o melhor americano que já viveu e agradeceu ao Wikileaks

O antigo líder do grupo Ku Klux Klan disse estar muito contente com o resultados das eleições presidenciais e congratulou-se pelo papel que o grupo supremacista teve na vitória de Donald Trump.

"Esta é uma das melhores noites da minha vida", escreveu David Duke no twitter após a confirmação dos resultados. "Não se enganem. O nosso povo teve um grande papel na eleição de Trump".

David Duke já tinha demonstrado a sua preferência pelo candidato republicano em fevereiro, uma jogada que provocou alguma controvérsia. O empresário foi duramente criticado pelo público por não ter rejeitado o apoio do ex líder do grupo que tem expressado ao longos dos anos preconceitos contra negros, judeus, imigrantes e homossexuais.

Esta terça-feira, Duke afirmou que Donald Trump "tem agora hipóteses de se tornar o maior americano que alguma vez viveu" e publicou fotografias do republicano com um ar grandioso.

Duke agradeceu ainda ao Wikileaks e chamou o seu fundador, Julian Assange, de "herói". O supremacista disse que a América deve a sua liberdade a Assange, que revelou informações secretas cobre Hillary Clinton durante a campanha, e pediu que Deus o abençoe.

Na semana passada, o jornal oficial dos Ku Klux Klan apoiou oficialmente Donald Trump mas dessa vez a campanha do republicano rejeitou o apoio.

The Crusader, a publicação do mais antigo grupo racista que defende a supremacia branca nos Estados Unidos, defendeu que a América apenas se tornou grande, em primeiro lugar, porque foi fundada por pessoas brancas e cristãs. Para os Ku Klux Klan, Donald Trump era o único candidato que poderia devolver a grandeza ao país.

Donald Trump venceu esta terça-feira as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Durante a campanha, o candidato atraiu apoiantes do grupo Ku Klux Klan desde que revelou os seus planos quanto à entrada de muçulmanos e mexicanos no país. David Duke afirmou no passado estar muito feliz por ver Donald Trump a compreender a maioria das questões pelas quais ele lutou no passado, segundo o Independent.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...