Evangélicos pedem indemnização por todos os cristãos 'lesados' por Jesus Gay

Eduardo Tuma, presidente da Câmara Municipal de São Paulo, encabeça ação que pede a censura do 'Especial de Natal Porta dos Fundos'

Um grupo de representações e lideranças evangélicas, incluindo o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Eduardo Tuma, avançou na quinta-feira (19) com uma ação contra a Netflix, pedindo a censura do "Especial de Natal Porta dos Fundos", programa em que Jesus é retratado como homossexual.

Juntamente com o Conselho Nacional dos Conselhos de Pastores do Brasil e o bispo Robson Rodovalho, fundador da comunidade evangélica Sara Nossa Terra, Tuma pede ainda uma indemnização por dano moral coletivo no valor de um milhão de reais [cerca de 220 mil euros] .

A ação, ainda não analisada pela Justiça, também requer indemnizações individuais em valor "não inferior a 1.000 reais [cerca de 220 euros]" para todos os cristãos que se sentirem lesados e que se habilitem a reclamar este valor.

Segundo o advogado que preparou a ação, Ricardo Hasson Sayeg, a intenção é mobilizar a comunidade evangélica para que diversas pessoas recorram na Justiça o direito à indemnização.

Sayeg diz ainda que o grupo que avança com esta ação não considera que o pedido de retirada do programa do ar configure censura. "A gente entende que [o programa] foi além do direito de manifestação artística", diz.

A petição diz que o conteúdo do programa está "a deturpar ofensivamente a imagem de Deus, de Jesus Cristo, da sua sagrada Mãe Maria e de todos os demais protagonistas bíblicos envolvidos".

Essa é uma interpretação do programa. O especial de Natal da Porta dos Fundos retrata Jesus como um herói, que enfrenta Lúcifer e sai vitorioso da batalha, depois de passar por uma experiência alucinogénica em que deuses de diversas religiões "aparecem" para influenciá-lo.

Sayeg diz que o incomoda mais o fato de Maria fumar canábis do que o de Jesus ser retratado como gay, embora nada no programa explicite que o cigarro que Maria acende numa das cenas seja de canábis.

A Netflix diz que não vai comentar o caso.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG