"Europa não tem obrigação de acolher quem vem à procura de uma vida melhor"

Para Gyorgy Schopflin, eurodeputado húngaro a migração em massa para a UE põe em risco os valores europeus.

Vai votar "não" no referendo?

Sim. A Comissão Europeia não tem poderes para ordenar quotas.

Não terá a Europa obrigação de ajudar quem foge da guerra?

Não tenho problema em dar asilo a quem genuinamente está à procura de asilo, mas para os migrantes económicos a resposta é não. A Europa não tem obrigação de acolher aqueles que vêm para cá apenas porque pensam que vão ter uma vida melhor.

Pensa que esses são a maioria?

São dois terços.

Em que dados se está a basear?

É uma aproximação.

Com base em que estudos?

É aquilo que os jornalistas ocidentais têm escrito.

Como deve a Europa lidar com a crise migratória?

Cada vez mais gente concorda que é preciso lidar com o problema não na Europa, mas sim na origem, no Médio Oriente e na África Subsariana.

O que pode ser feito nesses locais?

Muito pouco. A solução passa pelo crescimento económico e isso só é possível com melhores governos.

Se há pouco que se possa fazer, devemos então cruzar os braços e deixar que as pessoas morram?

Não há nenhuma razão pela qual tenham de morrer. Devem ser desencorajados a vir. Ninguém está a forçar ninguém a atravessar o Sara. Ninguém está a forçar ninguém a atravessar o Mediterrâneo.

Estão a fugir de guerras e de condições de vida insuportáveis.

Por favor, isso não é verdade. Querem é melhores condições económicas. Os que vêm da Síria sim, estão a fugir da guerra, mas aqueles que vêm de África definitivamente não estão a fugir da guerra.

Imaginemos que estão a fugir de condições de vida desumanas.

Isso faz com que sejam migrantes económicos e não refugiados. E, já agora, porquê apenas a Europa?

Os EUA e o Canadá, por exemplo, já receberam muitos refugiados.

Sim, alguns. Mas quantos recebeu o Brasil? Zero. Este é um problema global que não pode ser resolvido só pela Europa. Quantos refugiados sírios foram recebidos pela Arábia Saudita? Mais uma vez: zero.

Talvez a Arábia Saudita não seja o local mais seguro...

Será pelo menos mais seguro do que a Síria. Além disso são muçulmanos e lá sentir-se-iam em casa.

Viktor Orbán tem sido acusado de políticas xenófobas e racistas. Como comenta?

São palavras vazias usadas pelos liberais quando não têm mais nada para dizer. É uma forma de acabar um debate ou uma discussão.

Dizer que temos de preservar a Europa para os europeus é, de certa forma, um comentário racista, ou não?

Não. De todo. Porquê?

A Europa sempre foi um espaço que recebeu pessoas vindas de todos os lados.

Os portugueses ficaram muito contentes com a conquista dos mouros?

Isso já foi há alguns séculos...

Estava a falar-me da História da Europa e eu estou a dar-lhe História da Europa. Posso também dizer-lhe que a Hungria não gostou da invasão do império otomano. Sim, sempre houve migração, mas há valores europeus que são muito importantes para a Europa. Afirmar isto não é racismo.

Esses valores ficam em risco com a chegada de mais refugiados?

Claro que sim. Já esteve em Bradford, na Inglaterra? Há zonas onde houve uma limpeza étnica, onde praticamente só podem viver descendentes de paquistaneses. Não há integração na sociedade e não vejo que contribuam para os valores europeus, como a tolerância.

Em Portugal as comunidades estrangeiras estão bem integradas.

Parabéns. E então? A questão está na massa crítica. Quando um grupo particular de migrantes atinge determinada dimensão eles não irão integrar-se porque não têm incentivos para o fazer.

Define-se como europeísta?

Como um europeísta moderado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG