EUA gastam 1.500.000.000.000 dólares em guerras desde o 11 de Setembro

Guerras no Iraque, Afeganistão e Síria custaram 1.74 biliões de euros aos contribuintes norte-americanos

Desde que, a 11 de Setembro de 2001, dois aviões embateram contra as Torres Gémeas, em Nova Iorque, matando cerca de 3000 pessoas, os Estados Unidos gastaram 1.5 biliões de dólares em guerras. Mais especificamente 1.500.000.000.000 dólares, qualquer coisa como 1,74 biliões de euros.

De acordo com um relatório do Departamento de Defesa Norte-americano, citado pela estação televisiva CNBC, esta foi a soma dos custos das guerras no Iraque, Afeganistão e Síria.

As operações que decorrem atualmente nestes países - Freedom´s Sentinel no Afeganistão e Inherent Resolve no Iraque e Síria, além da Noble Eagle, a operação de segurança interna para o território dos Estados Unidos e Canadá - já custaram aos contribuintes norte-americanos 185.5 mil milhões de dólares. Deste valor, a fatia de leão vai para as operações em território afegão.

A operação Liberdade Duradoura, que incidiu sobretudo sobre o Afeganistão, em resposta aos ataques de 11 de Setembro, custou 584 mil milhões. Mas é a guerra no Iraque a responsável pela grande fatia dos custos - 730 mil milhões de dólares.

Segundo o relatório, o dinheiro destinou-se ao treino dos militares, equipamentos e manutenção, mas também a salários, serviços médicos e alimentação dos operacionais no terreno.

Na passada semana, antes de uma deslocação-surpresa ao Afeganistão, o secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, disse aos jornalistas estar esperançado que as negociações em curso com os talibã possam por um ponto final naquela que se transformou na mais longa guerra dos Estados Unidos que, 17 anos depois, mantém cerca de 14 mil soldados no território.

Em junho, um inédito cessar-fogo e uma reunião posterior entre responsáveis dos talibã e representantes dos EUA abriram a porta a um cenário de fim dos combates, mas desde então os talibãs lançaram uma onda de ataques que compromete esse desfecho.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.