EUA declaram estado de emergência em Porto Rico devido a tempestade Dorian

A tempestade entrou nas Caraíbas com ventos de 85 quilómetros por hora. Donald Trump foi acusado de relativizar o impacto dos furacões Maria e Irma em 2017.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou o estado de emergência em Porto Rico, antes da chegada da tempestade tropical Dorian, que poderá converter-se hoje em furacão ao passar pelo sudoeste da ilha.

A ordem autoriza o Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos e a Agência Federal para a Gestão de Emergências (FEMA, na sigla em inglês) a coordenarem as ajudas de emergência na ilha, devastada pelo furacão Maria em 2017.

"Especificamente, a FEMA está autorizada a identificar, mobilizar e fornecer, a seu critério, o equipamento e os recursos necessários para aliviar os impactos", disse Trump em comunicado.

O Presidente dos EUA, protagonista de várias controvérsias por relativizar o impacto dos furacões Maria e Irma, em 2017, também se pronunciou sobre a tempestade Dorian na rede social Twitter: "Uau! Outra grande tempestade está a aproximar-se de Porto Rico. Será que isto não acaba?".

A tempestade tropical passou sobre a ilha de Santa Lúcia e entrou nas Caraíbas com ventos de 85 quilómetros por hora, que deverão aumentar enquanto Dorian se movimenta para Porto Rico e República Dominicana, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC).

No último boletim, os meteorologistas do NHC previram que Dorian se tornará um furacão quando atingir a terra ou passar perto da costa de Porto Rico.

Nos últimos dois anos, Trump criticou fortemente Porto Rico, um território que não tem direito de voto na eleição do Presidente, indicando que os seus líderes são "um desastre".

Depois de visitar Porto Rico em 2017, Trump disse que o furacão Maria não era "uma verdadeira catástrofe" como o Katrina, em 2005, e no ano passado negou que o furacão tivesse causado quase 3.000 mortos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.