EUA comprometidos com processo de paz entre Israel e palestinianos

Desde o ano passado que a Palestina considera que Donald Trump não pode exercer o papel de mediador no processo de paz

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, expressou hoje o compromisso dos EUA com o processo de paz entre israelitas e palestinianos, durante uma visita à Jordânia, país aliado da Palestina e guardião dos locais santos muçulmanos de Jerusalém.

"Apesar da decisão do Presidente Trump sobre Jerusalém, o Presidente disse que dependia das partes decidir as fronteiras de Jerusalém", disse Tillerson, numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo jordano, Ayman Safadi.

Os dois governantes sublinharam que os seus países continuam empenhados no processo de paz, apesar de reconhecerem divergências sobre as possíveis soluções para o conflito.

Tillerson disse acreditar que está numa "fase avançada" a redação de uma proposta de paz norte-americana, na qual se está a trabalhar "nos últimos meses", mas apontou que compete ao Presidente dos EUA, Donald Trump, declarar quando esse documento está terminado.

O chefe da diplomacia jordana sustenta que "a solução de dois Estados, com Jerusalém Oriental como a capital do Estado palestiniano, continua a ser a única solução viável"

Em dezembro passado, Trump rompeu com décadas de consenso internacional ao pronunciar-se sobre Jerusalém, cuja parte oriental está ocupada por Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967, e que foi anexada em 1980, contrariando as resoluções da comunidade internacional.

Desde então, a Autoridade Nacional Palestiniana congelou os contactos com representantes norte-americanos, ao considerar que Washington escolheu um dos lados do conflito e, portanto, ficou desacreditado para exercer o papel de mediador no processo de paz.

À margem da questão palestiniana, Tillerson e Safadi assinaram um memorando de entendimento, segundo o qual os Estados Unidos se comprometeu a prolongar durante os próximos cinco anos a ajuda financeira e militar à Jordânia, na ordem dos 1.275 milhões de dólares anuais (cerca de mil milhões de euros).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG