"Estou muito desiludido." Governo da Finlândia forçado a demitir-se

Primeiro-ministro Juha Sipila mostrou-se desiludido por o seu gabinete ter de se demitir após falhar a aprovação de uma reforma da segurança social. Finlândia assume a presidência rotativa da União Europeia em julho.

"Estou muito desiludido", confessou o primeiro-ministro Juha Sipila. O chefe do governo finlandês apresentou a demissão após falhar a aprovação da reforma da segurança social que propunha.

Numa conferência de imprensa Sipila explicou que o executivo irá manter-se em funções até ser formado um governo. O chefe do governo espera que o país tenha um novo governo até junho ou julho. A 1 de julho, a Finlândia assume a presidência rotativa da União Europeia.

Este anúncio surge a cinco semanas das eleições legislativas, previstas para 14 de abril, para a renovação das 200 cadeiras do Parlamento (Eduskunta) da Finlândia.

A televisão YLE informou que sucessivos governos finlandeses tentaram nos últimos 14 anos passar esta reforma, mas sempre em vão.

O jornal finlandês Huvudstadsbladet disse que o presidente finlandês, Sauli Niinisto, já pediu a Sipila para continuar como governo de transição.

Uma reforma difícil

A reforma da segurança social pretende compensar os custos cada vez maiores com as pensões num país onde a população é cada vez mais envelhecida. A proposta do governo visava passar para os governos regionais a gestão dos cuidados de saúde, atualmente entregues aos municípios.

A população finlandesa tem uma das taxas mais rápidas do envelhecimento da Europa, ameaçando a sustentabilidade das finanças públicas a longo prazo, devido ao forte aumento nos gastos com a saúde e com a segurança social.

De acordo com os dados do governo, esta reforma teria conseguido manter os custos do Estado com a segurança social nos 0,9% em vez dos 2,4% atualmente previstos. Os partidos da oposição criticaram o papel crescente do sector privado.

A grande maioria dos políticos finlandeses concordam que há a necessidade de uma reforma do sistema, mas estão há mais de uma década a debater esta questão, pois discordam sobre como deve ser o novo modelo.

Depois de repetidas tentativas, os três partidos que formam a aliança do atual Governo conseguiram chegar a um acordo, mas a proposta final foi rejeitada pela comissão parlamentar de assuntos constitucionais, considerando que não respeita a igualdade de direitos de todos os finlandeses.

Sipila já tinha anunciado que se demitiria se a reforma não fosse aprovada. Antigo empresário, com fortuna feita na área da tecnologia, Sipila tornou-se primeiro-ministro em maio de 2015. Lidera uma coligação entre o seu Partido do Centro, os conservadores da Coligação Nacional e a Reforma Azul, formado por desertores do nacionalista Partido dos Finlandeses.

Em atualização

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.