EUA contemplam sanções contra Myanmar pela crise dos rohingyas

"É imperativo que quaisquer pessoas ou entidades responsáveis por atrocidades sejam responsabilizados", disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira que estão a considerar sanções contra Myanmar, antiga Birmânia, nomeadamente contra militares implicados nos atos de violência contra a comunidade muçulmana dos rohingyas, causando um êxodo em massa.

"Expressamos a nossa mais profunda preocupação em relação aos recentes acontecimentos no estado de Rakhine e aos violentos abusos traumáticos que os rohingyas e outras comunidades sofreram", afirmou, em comunicado, a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, anunciando uma série de medidas punitivas.

"É imperativo que quaisquer pessoas ou entidades responsáveis por atrocidades, incluindo os atores não estatais e grupos paramilitares, sejam responsabilizados", disse a porta-voz, anunciando novas medidas "além das restrições existentes" em relação às forças armadas birmanesas e ao embargo norte-americano "de longa data em todas as vendas de equipamentos militares".

Entre estas medidas, contam-se a suspensão do exame de dispensas de viagem para os altos responsáveis militares birmaneses e a anulação de convites feitos aos altos responsáveis das forças de segurança birmanesas para participarem em eventos nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos anunciaram também estudar a colocação em prática de "medidas económicas específicas contra indivíduos ligados a atrocidades".

Os chefes do exército birmanês são "responsáveis" pela crise da minoria muçulmana dos rohingyas, disse na quarta-feira o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson.

Segundo os mais recentes dados das Nações Unidas, mais de 580 mil muçulmanos rohingyas fugiram de Myanmar desde 25 de agosto, para se refugiarem no vizinho Bangladesh.

Esta crise foi desencadeada quando rebeldes rohingyas, denunciando os maus tratos sofridos por aquela minoria em Myanmar, atacaram postos da polícia no final de agosto, o que provocou uma repressão severa por parte do exército.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.