EUA contemplam sanções contra Myanmar pela crise dos rohingyas

"É imperativo que quaisquer pessoas ou entidades responsáveis por atrocidades sejam responsabilizados", disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira que estão a considerar sanções contra Myanmar, antiga Birmânia, nomeadamente contra militares implicados nos atos de violência contra a comunidade muçulmana dos rohingyas, causando um êxodo em massa.

"Expressamos a nossa mais profunda preocupação em relação aos recentes acontecimentos no estado de Rakhine e aos violentos abusos traumáticos que os rohingyas e outras comunidades sofreram", afirmou, em comunicado, a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, anunciando uma série de medidas punitivas.

"É imperativo que quaisquer pessoas ou entidades responsáveis por atrocidades, incluindo os atores não estatais e grupos paramilitares, sejam responsabilizados", disse a porta-voz, anunciando novas medidas "além das restrições existentes" em relação às forças armadas birmanesas e ao embargo norte-americano "de longa data em todas as vendas de equipamentos militares".

Entre estas medidas, contam-se a suspensão do exame de dispensas de viagem para os altos responsáveis militares birmaneses e a anulação de convites feitos aos altos responsáveis das forças de segurança birmanesas para participarem em eventos nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos anunciaram também estudar a colocação em prática de "medidas económicas específicas contra indivíduos ligados a atrocidades".

Os chefes do exército birmanês são "responsáveis" pela crise da minoria muçulmana dos rohingyas, disse na quarta-feira o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson.

Segundo os mais recentes dados das Nações Unidas, mais de 580 mil muçulmanos rohingyas fugiram de Myanmar desde 25 de agosto, para se refugiarem no vizinho Bangladesh.

Esta crise foi desencadeada quando rebeldes rohingyas, denunciando os maus tratos sofridos por aquela minoria em Myanmar, atacaram postos da polícia no final de agosto, o que provocou uma repressão severa por parte do exército.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...