Espanha regista nova baixa no número de mortes

Espanha registou uma redução no registo diário de mortes provocadas pelo Covid-19, com 523 mortes nas últimas 24 horas, o que eleva o total de óbitos no país a 18.579, informou o ministério da Saúde. Na terça-feira, o país havia registado 567 mortes em 24 horas.

No entanto, foram registadas esta quarta-feira (15 de abril), mais de 5000 novos casos diários da COVID-19, um resultado fez terminar a descida registada nos ultimos 6 dias. Espanha acumula um total de 177.633 de casos confirmados.

Numa nota positiva, o número de altas recebidas por doentes internados foi superior a 70 000, o que representa um crescimento de 40% no total de casos confirmados.
As entidades de saúde espanholas, destacaram que o pico da epidemia já ficou para trás, depois do recorde de 950 mortes em apenas um dia e mais de 8000 novos casos, a 2 de abril. Espanha é o terceiro país com mais mortes provocadas pelo coronavírus.

Desde 14 de março que se mantém em Espanha um dos isolamentos mais rígidos da Europa. Os cidadãos só podem sair de casa para trabalhar, caso não o consigam fazer a partir de casa, comprar comida ou medicamentos, e passear animais de estimação.
Está previsto que se mantenha até dia 25 de abril, no entanto o governo liderado por Pedro Sanches já antecipou que esta medida deve ser prorrogada.

Na segunda-feira, alguns setores da economia voltaram ao trabalho após duas semanas de paralisação. De forma a prevenir um aumento nos contágios, milhares de máscaras foram distribuídas pelos transportes públicos.
O governo calcula que 67% dos espanhóis cumprem rigorosamente o isolamento.

"Estamos a tomar medidas duras que estão a demonstrar a sua eficácia, estão a proteger, a salvar vidas", declarou Pedro Sánchez esta quarta-feira no Parlamento.

" Estou convencido de que os espanhóis irão recuperar em breve a normalidade, em consequencia do isolamento(...), a nova normalidade, porque nada voltará a ser igual até que encontremos a vacina" afirmou Sánchez, frente às criticasm da oposição, que denunciam aquilo que consideram uma má gestão da crise por parte do seu governo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG