Espanha: Depois do gato por lebre, o boi por touro

Num vídeo de campanha, uma dirigente do PACMA (partido animalista espanhol) mostrou Marius, que apresentou como um touro que poderia ter morrido numa arena de touradas. Apesar da imponência do seu porte, o animal é um boi castrado, e dócil

"Se o tratas com carinho e respeito, reage assim", garante Laura Duarte, 32 anos, candidata do Partido Animalista Contra o Abuso de Animais (PACMA) espanhol, num vídeo filmado durante a recente campanha eleitoral para as cortes. O animal, chamado Marius, está a centímetros da candidata, e vai comendo folhas de oliveira, enquanto Laura Duarte olha para a câmara e sorri, várias vezes, ao lado de um bicho mais alto, com 1,73 metros, e muito mais pesado (quase uma tonelada), do que ela.

Sem palavras, o vídeo poderia ter ajudado Laura a ser eleita, como a primeira deputada do PACMA. A imagem era forte. Bonita, até. Mas a retórica sobrepôs-se, irremediavelmente. Laura fala da "valentia", que exibe, e de como não há coragem nenhuma que se aplique aos "cobardes" que gostariam de tourear o animal, torturando-o e, no final, matando-o. Laura repete que Marius é um touro. E é aí que o seu argumento pega de cernelha. Marius não é um touro, é um boi castrado.

A diferença é importante. Não retira, em nada, validade aos argumentos políticos que a candidata defende (o que não quer dizer que os seus adversários não tenham, também, boas razões para defender a tourada - essa é a razão de ser, e a beleza, da política). Retira-lhe algo de muito mais importante: sem factos, as opiniões são frágeis.

Marius nunca poderia chegar a uma arena, porque lhe falta a vontade de correr atrás de cavalos e bandarilheiros. Não baixa, nunca, os chifres para ameaçar. Por isso, vários aficionados de touradas desmontaram o argumento de Laura Duarte com facilidade. "Para animalistas, sabem muito pouco sobre animais. Convido-te a acariciar um touro, não castrado. Vais ver o abraço... Isso é um boi", escreveu no Twitter Cayetano Rivera, que é toureiro, modelo da Armani e filho de Paquirri, um "mítico" da arena, como lhe chama o El Mundo.

E, mesmo sendo um boi, e não um touro, Marius tinha tudo para estar num vídeo do PACMA. Foi encontrado, em 2015, à beira da morte num curral em Villafranca del Ebro (Huelva). Estava amarrado, sem comida nem água. Foi resgatado pela Guardia Civil e o seu dono foi acusado, e acabou internado num hospital psiquiátrico.

Marius foi acolhido no Santuário Asas do Coração, uma quinta nos arredores de Madrid, criada por dois ativistas, Eduardo e Laura. E é ali que, como descreve o El Mundo, mais parece um cachorro do que um touro selvagem, caminhando atrás de quem quer que lhe ofereça um ramo de oliveira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG